Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

12 de dez de 2013

OSHO – 12 de dezembro de 2013



Já que é preciso um nome, eu sou Osho, mas eu sou você, como você é eu.

Eu os convidei hoje, para virem acender o Fogo de Alegria uma segunda vez.

Eu lhes proponho um tempo no Fogo, no Silêncio, para que possam, novamente, remeter a Densidade em sua observação do que está ou não está no interior de vocês.
Vocês viram alguém?
Vocês veem alguém?

[Silêncio e Fogo]

Então, depositemos no Fogo aquilo em que vocês sempre creram, mas que não podem encontrar.
Depositemos o conceito de «alguém».
«Alguém» assemelha-se muito a uma diminuição do Um, então, suprimamos essa diminuição.
Deixemos o lugar, para que se instale o Um.

[Silêncio e Fogo]

O tempo é para a Festa, sem qualquer dúvida possível.
O tempo é para a Leveza.

Se vocês não puderam colocar suficiente Densidade em sua observação, durante essas vinte e quatro horas, que os leve, agora, a esvaziar o lugar, eu lhes proponho que, juntos, façamos algumas pequenas observações.

Vocês sabem que só o que é vivido importa.
Observem se isso ressoa como uma verdade em vocês.
E se isso ressoa como uma verdade, eu lhes proponho pôr na Fogueira o que não corresponde à verdade da vivência.

Comecemos, se querem, pelos elementos do passado.
Frequentemente, em suas palavras, vocês aproximam o passado do que foi vivido, mas observem que, em momento algum, o passado corresponde à vivência do instante, à vivência real, mesmo, de instantes passados.
Há, nesse nível, uma contradição importante, que mesmo o mental pode ver e pode compreender.

Então, vocês devem escolher: viver a verdade do que os atravessa, tal como ela os atravessa, ou apoiar sua compreensão em elementos do passado, que são, na realidade, apenas uma miragem.
Porque eu lhes digo, em Verdade, vocês jamais nada viveram de tudo isso.
Desde o começo, sua memória descarrila.
Frequentemente, vocês dão sua idade, fazem referência ao seu nascimento, mas, em Verdade, vocês jamais nasceram.

Na Verdade, quando Maria vem ao seu encontro, vocês sentem, em cada uma de suas células, o Apelo, a ressonância de sua Mãe.
Para muitos de vocês, está claro que Maria é sua Mãe.
Então, por que integrar em seus pensamentos a presença de pais humanos, que teriam vindo dar-lhes a vida?
Que os pais humanos são um suporte ao desenvolvimento da vida sobre esta Terra é uma evidência, mas contribuir ao desenvolvimento da vida não é dar a vida.
Isso não leva a menos querer esses seres que vocês acreditaram ser seus pais, e que o são, de certo modo.
Eles os acalentaram, eles os alimentaram, eles os amaram, o que quer que vocês pensem disso.
Mas tudo isso, em sua memória, nada tem a ver com o que foi, em seu tempo, a realidade da vivência.

Transformar os laços familiares, os laços de dever por laços de Amor simples é muito mais leve.
Além disso, o Amor não é um laço, mas um fluxo, um cimento.

Vocês jamais nasceram, vocês não são desse mundo.
Tudo isso vocês sabem, em sua Verdade, presente a cada instante.
Então, por que aderir a uma história fantoche?
Liberem-se do passado.
Isso se faz instantaneamente, assim que vocês decidam não mais a ele aderir.
Isso não leva a qualquer rejeição, isso os leva, simplesmente, a posicionarem-se na Verdade do Instante, que não pode apoiar-se, em caso algum, no passado.

Não há, em seguida, mais do que a vigilância, leveza e tensão ao mesmo tempo, vigilância para não mais deixar-se, novamente, arrastar para construir cenários porque, se vocês creem, se vivem a Verdade do Instante, sabem que ela é incompatível com qualquer passado.

Vocês jamais nasceram, nesta vida ou em vida alguma, porque vocês são a Vida.
Isso, eu não lhes peço para crer, mas viver e, em seguida, pedir ao mental para fazer prova da lógica, porque vocês não podem aderir a duas visões contraditórias.

Vocês não podem aderir à história se aderem à Verdade do Instante.
Não creiam em mim, vivam-no!
Tentem, em um instante, integrar tudo na memória, e vocês verão o que resta: uma miséria ridícula, sobre a qual é baseado todo um cenário que leva, a maior parte do tempo, ao sofrimento.
Isso para ilustrar, de maneira muito simples, como vocês se enganam a si mesmos, aceitando, em função do momento vivido, uma verdade ou outra, eu diria, antes, uma ilusão ou outra que, por vezes, deixa lugar à Verdade.

Construam sua vida a partir de uma base sólida.
Cabe a vocês escolher se essa base pode vir do passado ou se ela pode apenas estar na vivência do Instante.
Mas, nesse caso, não se deixem mais arrastar, assim que vejam o cenário instaurar-se.
Lembrem-se de que vocês não podem ter certeza de qualquer elemento do passado.
Vocês não podem ter certeza de qualquer elemento de seu próprio passado, desta vida, então, como podem ter certeza dos elementos do passado da Humanidade?
Como vocês podem ter certeza de elementos do passado de suas vidas anteriores?
O que lhes vem de seu passado nesta vida ou em suas vidas anteriores apenas tem valor quando passa pelo filtro da vivência do instante e desaparece imediatamente, assim que lhe dê sua informação no Amor.

Eu vejo que a Fogueira realizada nesta noite é extremamente importante, e eu os felicito.

Na Leveza do Instante, eu lhes partilho o meu Fogo.
E eu lhes digo até breve.

-----------------------------------
Transmitido por Ar.

5 comentários:

  1. Então, depositemos no Fogo aquilo em que vocês sempre creram, mas que não podem encontrar.

    Depositemos o conceito de «alguém». «Alguém» assemelha-se muito a uma diminuição do Um, então, suprimamos essa diminuição. Deixemos o lugar, para que se instale o Um.

    Então, vocês devem escolher: viver a verdade do que os atravessa, tal como ela os atravessa, ou apoiar sua compreensão em elementos do passado, que são, na realidade, apenas uma miragem.

    Vocês jamais nasceram, nesta vida ou em vida alguma, porque vocês são a Vida.

    ResponderExcluir
  2. "Eu os convidei hoje, para virem acender o Fogo de Alegria uma segunda vez.
    "Vocês sabem que só o que é Vivido importa.
    "E se isso ressoa como uma verdade, eu lhes proponho pôr na Fogueira o que não corresponde à verdade da vivência.

    "Vocês jamais nasceram, nesta vida ou em vida alguma, porque vocês São a Vida. Isso, eu não lhes peço para crer, mas Viver.
    "Vocês jamais nasceram, vocês não são desse mundo.
    "Tudo isso vocês sabem, em sua Verdade, presente a cada Instante. Então, porque aderir a uma história fantoche? Liberem-se do passado.

    "Isso não leva a qualquer rejeição, isso os leva, simplesmente, a posicionarem-se na Verdade do Instante, que não pode apoiar-se, em caso algum, no passado.
    "Então, vocês devem escolher: viver a verdade do que os atravessa, tal como ela os atravessa, ou apoiar sua compreensão em elementos do passado, que são, na realidade, apenas uma miragem.

    "Construam sua vida a partir de uma base sólida.
    Cabe a vocês escolher se essa base pode vir do passado ou se ela pode apenas estar na Vivência do Instante.

    "Eu vejo que a Fogueira realizada nesta noite é extremamente importante, e eu os felicito.
    "Na Leveza do Instante, eu lhes partilho o meu Fogo."

    ResponderExcluir
  3. "Lembrem-se de que vocês não podem ter certeza de qualquer elemento do passado.
    Vocês não podem ter certeza de qualquer elemento de seu próprio passado, desta vida, então, como podem ter certeza dos elementos do passado da Humanidade?"

    Gostaria mais uma vez, de fusionar o Amor que eu sou com aqueles que estão instalados no que resta da personalidade ou mesmo do Si. O seu corpo, seu saco de pensamentos, sua alma, seu espírito são apenas acessórios. Uma vez retirado os acessórios, a Verdade Absoluta se revela. Não há que ter medo de se soltar do penhasco. Depois que fizer isto, descobre-se que não há problema algum com a personalidade, com a alma, com o espírito, eles são frutos da Criação, mas o problema é apenas a identificação excessiva da consciência com os acessórios.
    No Absoluto vc é livre para transitar pelos acessórios, mas a consciência não está colada aos acessórios. Dê um salto no vazio, descubra o que você é antes de ser concebido no útero de sua mãe, ou vá para a morte e passe por ela. Você vai rir depois. Nós Somos UM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz Antonio!

      Lindo ... Perfeito ... Abençoada vivência!

      Excluir
  4. "«Alguém» assemelha-se muito a uma diminuição do Um, então, suprimamos essa diminuição." Que horror, esse "Alguém"!

    Amado! Que maravilha, passar por todos estes enfoques, auxiliando-nos na atualização.

    "Vocês jamais nasceram, nesta vida ou em vida alguma, porque vocês são a Vida." Já sabíamos do assunto, mas está fala tem 'outra direção'.

    Perfeito! "Miséria ridícula", rever o passado...

    "Construam sua vida a partir de uma base sólida." Amém! Com base "na vivência do Instante."

    Inté, Amigo Osho! Valeu!

    ResponderExcluir