Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

22 de ago de 2012

SRI AUROBINDO – 22 de agosto de 2012



Mensagem publicada em 23 de agosto, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Eu sou Sri Aurobindo.
Irmãos e Irmãs, estabeleçamo-nos na Comunhão e na Paz.

... Partilhar da Doação da Graça...

Vou prosseguir, hoje, o que lhes disse quando de minhas três últimas intervenções (ndr: intervenções de 16 de agosto, 15 de julho e 21 de maio de 2012).
Vou tentar informá-los dos mecanismos que se desenrolam.
Não nos processos do Despertar, porque isso foi feito por inumeráveis pessoas.
Eu não venho, tampouco, informá-los dos mecanismos que serão dados a ver, nos tempos em curso.
Mas vou tentar, mais, dar-lhes pontos de referência e marcadores.
Momentos específicos que lhes são possíveis viver e que traduzem, de algum modo, as primícias, bem reais, e a vivência de sua Ascensão.

Vou colocar-me do ponto de vista dos mecanismos que se desenrolam, diretamente, na consciência, e que decorrem da Ação da Luz e do Fogo Celeste em vocês.

Se vocês foram Chamados – por Maria, pela Luz ou por uma das Estrelas – vão constatar, em velocidades que são diferentes para cada um, que vai produzir-se algo em vocês.
Esse algo que vai produzir-se em vocês tem uma única finalidade: é, se vocês aceitam, viver a Liberdade Total.

Quando o Fogo da Luz toca-os e quando há, é claro, aceitação, a consciência vai viver mecanismos inéditos.
Esses mecanismos vêm completar tudo o que lhes foi exposto, há um ano, nas possibilidades de Comunhão, de Fusão, de Dissolução, de Deslocalização da Consciência.

Mas em todos esses processos de Comunhão, de Fusão, de Dissolução ou de Deslocalização da Consciência, persiste o sentido de uma identidade e de uma identificação, mesmo se essa identificação seja diferente da identificação ao que vocês são nesse mundo.
Existe, contudo, uma sobreimpressão, uma sobreposição desses mecanismos vividos e da persistência de uma identidade.

Além dessas diferentes experiências e desses diferentes estados que vocês, talvez, viveram, o Fogo do Céu, em suas aproximações individuais, será notável, por certo número de elementos.
Esses elementos notáveis estão além dos diferentes Samadhis.
Eles se traduzem, como vocês sabem, pela Paz Suprema e pela possibilidade de ser Absoluto com forma.
Mas esse Absoluto com forma passa por instantes e movimentos nos quais há a viver estados que eu qualificaria de intermediários.

O primeiro desses estados intermediários, vocês são extremamente numerosos a tê-los vivido, uma vez que se trata, simplesmente, do que vocês podem nomear o adormecimento ou o desaparecimento, seja nos Alinhamentos, em suas meditações ou escutando-nos ou lendo-nos.
Esse desaparecimento ou, antes, essa ocultação da consciência comum, é um primeiro passo para a Liberação.

Vêm, em seguida, experiências nas quais, através, justamente, das Comunhões, das Fusões, das Dissoluções ou das Deslocalizações, torna-se possível viver e, sobretudo, apreender que a vida não é nem limitada ao que vocês percebem, e, ainda menos, a esse corpo ou a essa forma.

Existe, portanto, o aparecimento de múltiplos mecanismos Vibratórios que lhes foram descritos, já, desde muito numerosos anos.
Mas eles tomam, durante este período, uma acuidade específica.
E depois, para alguns de vocês, além da acuidade específica dessas experiências que lhes são conhecidas e além do adormecimento, começam a produzir-se mecanismos nos quais há, de algum modo, a perda total de todo ponto de referência habitual, quer esses marcadores correspondam à identidade de uma pessoa ou, mesmo, a uma identificação de Vibração Luz.

A um dado momento, o mecanismo do adormecimento – que é, também, como lhes dizia BIDI, o Absoluto – vai, e eu não tenho outra palavra, como que conscientizar-se ou reconscientizar-se.
Nesses instantes, nesses patamares – mas não vejam, aí, uma sucessão formal e lógica – vai desenrolar-se um estado que não é nem o sono, nem o sonho, nem o Despertar, nem mesmo Turiya.
A vigilância torna-se profundamente diferente de todas as experiências que vocês puderam viver.

O que sobrevém, naquele momento, não pode acompanhar-se de qualquer medo, de qualquer interrogação.
Do mesmo modo que, se essa experiência desenrola-se, as próprias percepções do Supramental, desde as Vibrações do corpo, passando pelos sons do Nada, passando pela percepção das Coroas Radiantes vão desaparecer.
Do mesmo modo que há o desaparecimento de toda imagem possível, de toda coloração possível, de toda forma possível.

Os mecanismos dos elementos põem-se, então, na obra, ao nível desse corpo, e podem, efetivamente, antes que as percepções do corpo desapareçam, dar alguns sinais que lhes foram descritos por SNOW (ndr: intervenção de 19 de agosto de 2012).
A ação da Luz e dos Quatro Vivos em vocês vai fazer desaparecer, portanto, o corpo.
Vai fazer desaparecer os pensamentos.
Vai fazer desaparecer toda emoção, assim como toda interrogação.

A consciência não está, no entanto, na Existência, ela não está, tampouco, deslocalizada.
Nós poderíamos chamar a isso – se é preciso nomeá-la – Absoluta Presença ou Infinita Presença.

Há, naquele momento, claramente, um Reconhecimento.
Esse Reconhecimento é, em sua própria desidentificação, a identificação à Luz, que é esse Fogo.
Mas, mesmo esse Fogo não parece mais tocar o corpo, mas dar como uma apreensão de Contentamento na qual se aniquila todo sentido de qualquer vontade, de qualquer vida e de qualquer mundo.
Não há mais percepção alguma.

Eventualmente, há, simplesmente, o sentido e a percepção de ser a Luz.
Não há, portanto, visão de Luz.
Não há forma.
Não há mais qualquer história.
Não há mais qualquer pensamento.
Vocês não existem mais como pessoa.

É durante essas etapas que se produz um mecanismo nomeado a estase, na qual vocês vivem o fato de estarem vivos, eu diria, como jamais.
A ausência de sinais do corpo, a ausência de sinais Vibratórios (mental ou emocional) instala-os em uma espécie de instante presente, que eu qualificaria de hiperpresença.

Quando essas etapas produzirem-se, vocês observarão que não dormem mais, que não são mais percorridos pelo que quer que seja e que é, justamente, naquele momento, que vocês estão totalmente Vivos.
É, contudo, nessas etapas, quando elas se concretizam, totalmente (pondo fim ao momento no qual vocês desaparecem no adormecimento ou Absoluto), que pode ressurgir, de muito longe, algo de sua identidade que permaneceu em uma forma, que é o medo.

Mas esse medo é, simplesmente, uma interrogação sobre o sentido do que vive a consciência, mesmo se há Reconhecimento.
E, aí, vai parecer desenrolar-se, em vocês, outra etapa que é, de fato, de algum modo, oscilações entre a consciência no sentido de uma identidade e a Consciência no sentido da Última Presença.
É nesse momento que, se vocês se lembram que é preciso ter-se tranquilos, que a interrogação de uma identidade não poderá alterar essa forma de basculamento que se produzirá, na qual, efetivamente, vocês nada mais poderão definir, nem alto, nem baixo, nem identidade nem não identidade, que permite instalar, na Última Presença, a Morada de Paz Suprema.

É aí que se realiza – e que se realizará para, nós esperamos, cada vez mais numerosos Irmãos e Irmãs – o Absoluto.
O Apelo da Luz, o Apelo de Maria, o Apelo por seu nome, além, mesmo, da percepção de toda Vibração dos elementos em vocês vai levá-los ao limiar, que não é um, desse instante de hiperpresença, que se acompanha, efetivamente, de um contentamento a nenhum outro similar, que deixa bem distante toda noção de alegria, toda noção de prazer ou de satisfação tal como a consciência pude vivê-la.
A perda de identidade e a perda de identificação coloca-os, então, no Absoluto.

Essa experiência de Absoluto, que não é uma, vive-se fora de qualquer forma.
As funções fisiológicas, aliás, estão quase paradas.
Não tendo mais o sentido da identidade corporal, a parada da respiração ou mesmo dos batimentos cardíacos não se traduz por qualquer problema, qualquer pensamento.
O Absoluto, do qual nada pode ser dito, descobre-se, nesse instante.
E é nesse instante que nada mais pode ser como antes e que tudo é, radicalmente, diferente.

Mesmo voltando à forma e mesmo voltando à personalidade, ser-lhes-á extremamente fácil ver que o desenrolar de sua vida comum não será, jamais, similar.
Não existe mais possibilidade de voltar a manifestar-se ou voltar a descer em qualquer personalidade, em qualquer luta, uma vez que o Absoluto com forma realiza uma supressão de elementos que estavam presentes na personalidade e que eram inscritos em seu histórico ou em sua história.

O contentamento é total.
Não pode mais existir qualquer falta, qualquer questão, qualquer interrogação nem, tampouco, qualquer dúvida.
Daí decorre a Liberdade a mais total.
Vocês não estão mais, de modo algum, submissos a qualquer circunstância desse mundo, ao mesmo tempo ali estando plenamente presentes.

Eis a ação do Fogo Celeste, a título individual que é, em geral, manifestada após o Apelo de MARIA e, por vezes, mesmo antes.
Vocês percebem, naquele momento, concretamente, que o que vocês haviam, sempre, procurado estava, efetivamente, já, aí, e que apenas a localização da consciência não era a boa.

Vivendo esse Fogo Celeste o Amor torna-se, realmente, a Natureza do que vocês São.
Não existe mais qualquer necessidade de projetar um ideal de Amor, nem mesmo uma consciência de amor, nem mesmo uma Vibração, porque que é, naquele momento, a realização de Sua Natureza, para além de todo Véu.

Esse Despertar não é, simplesmente, vocês sabem, um acordar, mas, verdadeiramente, a Liberação que faz de vocês um Liberado Vivo.
É claro, as modificações que sobrevêm, tanto no corpo como na consciência como na Vida não dependem mais de vocês, nem de suas ações e, ainda menos, de suas reações.
Isso foi chamado a Graça e é uma Graça.
Vocês são plenamente implicados na Graça, na Vida e no Amor.
E essa é a mais bela das implicações, porque não depende da ação da personalidade ou, mesmo, da alma.

Esses momentos, essas etapas, esse Absoluto são chamados a tornar-se cada vez mais frequentes entre os Irmãos e as Irmãs encarnados.
Nós já especificamos, o Absoluto põe fim, de maneira pessoal, ao Choque da Humanidade.
Não haverá, portanto, Choque da Humanidade para aqueles de nossos irmãos e Irmãs encarnados que viverão isso antes do Apelo coletivo de MARIA.

A Alegria, que é Interior, é claro, não depende de qualquer circunstância e, eu diria, mesmo, que nenhuma circunstância, qualquer que seja, pode alterar essa Alegria.
E é a característica essencial dela.
O Fogo Celeste é a Liberdade, é a Liberação de todo confinamento e de toda ilusão.

Lembrem-se, também, que, entre vocês – como foi dito por outros Anciões – há a possibilidade, sem qualquer julgamento, de perceber, claramente, sem mesmo perguntá-lo, o que está por trás de toda aparência.
É-lhes dado a ver o que eu poderia chamar a alma dos Seres, a alma dos Irmãos e das Irmãs encarnados.
Isso é bem além da Visão Etérea ou da Visão do Coração: é um conhecimento imediato, que não passa por qualquer percepção, nem mesmo por qualquer interrogação.
A Sabedoria, naquele momento, será seu atributo, porque o que quer que vocês percebam de um Irmão ou de uma Irmã, vocês sabem, de maneira indiscutível, que ele apenas faz parte do mesmo sonho que vocês vivem e que partilham.

O Fogo Celeste vai, portanto, radicalmente, transformar, já a título individual, o que vocês nomeiam a vida, quando estão desse lado do Véu que existe, ainda, é claro.
Os Pilares e os meios de ali chegar foram-lhes dados há muito numerosos meses.
Eu não voltarei a isso.
Mas vocês não podem enganar-se a si mesmos, a partir do instante em que não pode mais existir, em vocês, a mínima questão sobre o que quer que seja.
E isso é natural, não é uma vontade.

Vocês ficarão, mesmo, por vezes, atônitos, por não haver interrogação, nem colocarem-se questão sobre o sentido do que há a viver e do que vocês vivem.
Cada vez mais vocês manifestarão, de modo espontâneo, sem procurá-lo, sem procurar meditar ou Alinhar-se, esse estado de Graça.
E ele os preencherá, a cada vez um pouco mais.
Vocês serão preenchidos, total e inteiramente.

O que podia afetá-los, seja nesse corpo que vocês habitam ou em suas relações, quaisquer que sejam, desaparecerá, simplesmente.
Vocês terão, então, efetiva e concretamente, tornado-se Transparência a mais total.
E saberão, também que, qualquer que seja o olhar portado sobre vocês, por um Irmão ou uma Irmã que não está no mesmo estado, na mesma Consciência, vocês apenas poderão Amá-lo.

O que quer que ele lhes diga, o que quer que lhes façam, vocês terão, definitivamente, superado a interação da personalidade, em qualquer setor que seja de suas vidas.
Se, contudo, uma emoção venha a sobrevir, se, contudo, uma interrogação, uma preocupação venha a sobrevir, vocês constatarão, por si mesmos que, reinstalando-se, com uma facilidade cada vez mais desconcertante, na Luz que vocês São, tudo isso desaparece, não como uma fuga, mas, efetivamente, como uma resolução.
Porque, na Transparência, nenhuma Sombra, de qualquer natureza que fosse – uma de suas Sombras antigas ou as Sombras projetadas pelas almas que ainda não viveram isso – pode, de maneira alguma, restabelecer o antigo.
Mesmo se vocês quisessem, não o poderiam, o que demonstra, assim, que o que acontece não depende mais de qualquer ação/reação, de qualquer retribuição ou de qualquer punição.

Isso quer dizer que, mesmo se vocês se forcem a agir segundo uma personalidade que conheceram, que era a sua antes de viver isso, vocês não poderão, simplesmente, fazê-lo.
Isso será impensável e impossível a implementar, o que lhes aporta, então, uma prova a mais, que não tem necessidade de ser aportada, aliás, de que o que acontece é uma ruptura total da linearidade da personalidade.
Naquele momento, vocês não terão, mesmo, mais necessidade de viver qualquer deslocalização da consciência, qualquer viagem fora do corpo, seja na Existência ou, mesmo, no Astral, porque absolutamente tudo será dado no hiperpresente e na Última Presença: todas as fontes de Alegria, de Plenitude, de Paz Suprema ali estão.

Tudo isso se desenrola agora e, eu repito, cada um em seu ritmo.
Vocês apreenderão, também, que não há que procurar esse estado, porque ele está aí, à vontade.
Vocês terão, enfim, posto fim à ilusão de uma busca qualquer.
A Paz não será mais um objetivo, porque vocês serão a Paz.

Assim é o Apelo do Fogo do Céu, assim é o Apelo da Luz, em sua forma a mais completa.
É claro, vocês sabem que, vivendo isso, seu papel é essencial, não como vontade pessoal ou a expressão de qualquer ação, mas que seu estado e sua Transparência agem nesse mundo, um pouco à maneira da qual a Estrela SNOW falou-lhes, há muito pouco tempo (ndr: intervenção de 19 de agosto de 2012).

O que vocês terão no Coração, naquele momento é, justamente, desaparecer de toda personalidade, de toda reação.
E isso não lhes colocará qualquer problema, mesmo se coloque, é claro, às almas de Irmãos e Irmãs que ainda não são isso.
E lembrem-se, sobretudo, como dizia UM AMIGO, de que nada há a fazer, sobretudo nada fazer (ndr: intervenção de 18 de agosto de 2012).

É claro, vocês podem sentir, cada vez mais frequentemente, Presenças, sem mesmo pedi-las, como eu havia explicado, à sua esquerda.
Essas Presenças tornar-se-ão habituais e quotidianas.
Para vocês, a separação Dimensional terá tomado fim, e vocês se surpreenderão, em pouco tempo, se já não foi feito, em poder interagir, como vocês interagem com um Irmão e uma Irmã encarnados.
Isso ultrapassa as palavras e não passa pelas palavras, mas é um contato direto, que não é, tampouco, simplesmente, a telepatia, mas, efetivamente, uma Comunhão direta que se exprime, aqui mesmo, no espaço, no tempo e no corpo no qual vocês estão, uma vez que vocês não dependem mais desse tempo, desse espaço e desse corpo.

O que, para alguns de vocês, pode parecer distante ou impossível, vocês se aperceberão de que o viverão sem qualquer dificuldade.
Nada há a procurar, porque isso é natural, aí também.
Assim é a ação do Fogo Celeste, que vem queimar os últimos Véus da ignorância, coletiva e individualmente.
A vida tornar-se-á Graça para vocês e preenchê-los-á de Graças, não segundo as necessidades da personalidade, mas segundo a Verdade do Espírito.
O Samadhi não terá mesmo mais que ser vivido na interioridade ou em interiorização.
Ele será cada vez mais permanente, o que quer que vocês façam.

Mesmo se haja momentos de reajuste, com ocultação da consciência ou incapacidade para levar a efeito, quando do apelo da Luz, uma atividade específica, tudo será, muito rapidamente, superado, o que lhes permite encontrar o mesmo Contentamento, olhando a Natureza, olhando o Sol e olhando, mesmo, um Irmão ou uma Irmã que se oporia a vocês, mesmo violentamente.
Vocês não são mais concernidos por isso.
Vocês não são indiferentes.
Vocês não estão na indiferença total ou na ignorância.
Mas o estado dessa Infinita Presença e desse Contentamento é a resposta, e a única resposta possível.

E essa resposta não será, em caso algum, uma reação que se situe em outro nível que não esse Contentamento.
Isso se tornará, portanto, cada vez mais familiar, cada vez mais quotidiano.

Vocês constatarão, também, que não poderá mais existir a mínima flutuação do humor, a mínima flutuação da energia vital, de sua vitalidade.
Vocês estarão instalados em todos os níveis, em uma permanência do Contentamento.
Aí está a Liberação e é para o que o Apelo de MARIA ou o Apelo da Luz vai conduzi-los, inexoravelmente.

Dessa imparcialidade e, sobretudo, desse Contentamento decorrerá a facilidade da Ascensão, a facilidade de Serviço, para além de qualquer vontade.
A Irradiação dessa Hiperpresença ou dessa Infinita Presença permitirá a vocês senti-la, não mais, unicamente, como uma aura, mas como um vasto campo de energia que pode, concreta e efetivamente, recobrir toda a Terra, sem qualquer vontade.

A expansão dessa Consciência, para além da aura, para além de todo corpo sutil surpreendê-los-á, mas vocês a isso se habituarão, muito rapidamente.
Assim é a ação do Fogo Celeste, assim é a ação da Infinita Presença e do Absoluto.
Vocês não podem nem enganar-se, nem pôr em dúvida, nem mesmo duvidar do que se vive, para vocês.
Tudo isso não é nem um sonho, nem uma projeção, mas, efetivamente, a ação do Fogo Celeste que os restitui a si mesmos.

Eu repito: esse estado é natural, mesmo se haja patamares, mesmo se haja etapas.
O momento em que ele é inteiramente vivido, ele se torna sua verdadeira Natureza, bem longe de qualquer identidade anterior e bem longe de qualquer preocupação anterior.

A Graça proverá, real e concretamente, para dar-lhes e fazê-los viver o que é necessário.
Vocês não podem mais, e cada vez menos, ser, de maneira alguma, desestabilizados pelo que quer que seja.
Aí está a Liberdade.

Estando instalados nessa Última Presença, vocês terão, definitivamente, saído do tempo, ao mesmo tempo realizando o que a vida pede-lhes para realizar, com cada vez mais facilidade e cada vez mais evidência.

Aí está para o que meus Irmãos e minhas Irmãs convidaram-nos.
E isso não é, certamente, uma dificuldade, certamente não algo de distante, uma vez que já está aí.

Como diria BIDI: mudem de olhar, simplesmente.
Não como uma visão intelectual, mas, realmente, transladando sua consciência.
Não por um esforço, mas, efetivamente, por um Abandono.
Assim é o Fogo Celeste.

Vocês não estarão mais, portanto, de maneira alguma, sujeitos ao Choque da Humanidade.
Aí está o sentido do Apelo de MARIA e do Apelo da Luz, a título individual.

Nós não duvidamos, porque o vemos a cada dia, que vocês são cada vez mais numerosos a Despertar, totalmente.
Assim é a ação do Fogo Celeste, que os faz descobrir a Luz Azul do Éter, a Liberdade da Luz e do Amor.

Bem Amados Irmãos e Irmãs, eu rendo Graças por sua escuta e por sua Presença.
E eu lhes digo até muito em breve.
Até logo.
______________________________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

Um comentário:

  1. Fantástica esta panorâmica do Sri Aurobindo, sobre o completo Despertar, colimando sobretudo com a ausência de todas as identificações e identidades. A perda da própria história, da vinculação tempo-espaço, da guiança mental, e das vontades e quereres, são outros aspectos inseridos de igual relevância. Enfim, tudo isso, desembocando no viver pelo Dom da Graça, como desfecho deste processo de mutações sucessivas, onde o eu é substituído pelo todo. Um trecho da MSG que valeria como brinde: "Estando instalados nessa Última Presença, vocês terão, definitivamente, saído do tempo, ao mesmo tempo realizando o que a vida pede-lhes para realizar, com cada vez mais facilidade e cada vez mais evidência".

    ResponderExcluir