Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

3 de jul de 2012

O.M. AÏVANHOV – 3 de julho de 2012



Mensagem publicada em 6 de julho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Bem, caros amigos, dá-me um grande prazer reencontrá-los.
Eu lhes transmito todas as minhas bênçãos e venho, como de hábito, para escutar todas as questões que vocês têm a colocar-me.

Questão: o que é que obstrui a recepção da Luz em mim? 
Então, aí, cara amiga, vou responder-lhe como BIDI: é você mesma.
O que isso quer dizer?
Isso quer dizer que há, necessariamente, algo, em você, que está aí e que interfere, em algum lugar, com essa percepção da Luz.

A Luz está por toda a parte sobre a Terra.
Do mesmo modo como a Onda de Vida, ela está disponível para todo mundo.
Mas vocês sabem, por exemplo, que, para a Onda de Vida: ela nasce por si mesma.
Depois, ela sobe, ela pode encontrar bloqueios nos chacras inferiores, e, por vezes, não.
E há seres que nada sentem em relação a isso.

É o mesmo para o Supramental, porque o Supramental, a abertura Vibratória espiritual, energética, para essa percepção, realiza-se quando, verdadeiramente, o ser está pronto.
Então, o que isso quer dizer: estar pronto?
Isso quer dizer que, talvez, em você, há dificuldades para deixar-se ir.
Isso não quer dizer que você não está pronta, isso quer dizer que, em algum lugar, devem existir mecanismos que bloqueiam, em você, o fato de deixar-se viver o que há a viver.

Então, o atraso na ignição pode vir de uma fadiga importante, o que não é seu caso (ao nível de seus casulos de Luz, não há desperdício ao nível do Corpo Etéreo, ligado a uma fadiga).
Isso quer dizer que, necessariamente, há, nos planos mais psicológicos, ou um medo, aí também, ou uma dificuldade (por medidas de proteção diversas, que estão inscritas em você), para deixar-se fecundar, penetrar pela Luz.

Questão: a Luz vai chamar-nos, prioritariamente, quando não se está disponível, a fim de testar-nos, ou será que isso se fará de maneira aleatória?
Isso se faz, sobretudo, nesse momento, nos momentos de sono ou, então, quando vocês adormecem, quando vocês acordam, para não desencadear-lhes crises cardíacas, não é?
É algo como nos ouvir falar, assim, ao seu lado, como nos ouvir ao lado de vocês, falar-lhes.
Isso desencadeia, de qualquer forma, mecanismos de reflexos, de defesa, que são perfeitamente justificados: é como quando algo de desconhecido aproxima-se de vocês, sobressaltá-los, não é?
Portanto, é o mesmo princípio.

Tudo é profundamente diferente para cada um.
Há os que já são chamados – como já lhes foi dito – à noite, de dia.
Outros que começam, simplesmente, a sentir algo que chega ao lado deles, e, outros, que sentem, permanentemente, o Canal Mariano e uma Presença que os acompanha.
Portanto, é profundamente diferente para cada um: não há regra estabelecida.

Questão: pode-se chamar o Duplo Monádico desencarnado, do mesmo modo que se pode chamar MARIA, MA ANANDA MOYI, MIGUEL, outras Consciências? 
Então, lembrem-se do que eu disse, há alguns dias, e, também, na vez anterior (ndr: ver suas intervenções de 30 de junho e de 19 de maio de 2012): o Duplo Monádico, encarnado ou não, é excessivamente raro, em relação a vocês todos, não é algo de frequente.
Vocês não têm, todos, Duplo Monádico: felizmente, isso seria uma sagrada desordem.

Vocês têm, alguns, Duplos Monádicos encarnados, e, outros, têm Duplos Monádicos não encarnados.
No que concerne ao Duplo Monádico, encarnado ou não, eu fui muito claro: vocês não têm que procurá-lo.

Portanto, querer chamá-lo, isso quer dizer que você pressupõe que ele exista.
Ora, eu disse que, se Duplo Monádico há, pela Ação do Manto Azul da Graça, pela Liberação da Terra, qualquer que ele seja, ele se apresenta a vocês.
Mesmo se ele está do outro lado do planeta, vocês o verão em sonho, e saberão que é ele.
Se ele está desencarnado, ele virá, espontaneamente, uma vez que a Terra está Liberada.
Portanto, vocês não têm que chamá-lo.

Chamem MARIA, MIGUEL, chamem-nos, a nós, é muito mais fácil porque, se o Duplo Monádico não está aí, nesse dia de hoje (ou, eu diria, talvez, até o final de julho), é que ele não existe.
Simplesmente.

Mas eu repito: os Duplos Monádicos são raros.
Isso corresponde a algo de muito preciso, que é complicado de explicar, mas a resultante é exatamente a mesma, e eu creio que TERESA disse-lhes algumas palavras sobre isso (ndr: ver a intervenção de TERESA DE LISIEUX, de 3 de julho de 2012), e outros Anciões, há quinze dias, também (ndr: ver, em especial, a intervenção de UM AMIGO, de 6 de junho de 2012).

O Duplo Monádico tem a mesma função que MARIA, MIGUEL: é, simplesmente, reencontrar essa Paz, essa Morada de Paz Suprema.
Não vão imaginar outra coisa, como eu o disse da última vez: mais jovem, mais sexy, mais..., hein?
E, aliás, nós preferimos não lhes dizer tudo em relação a isso, porque vocês vão fantasiar.
Portanto, não vale a pena.

Contentem-se com MARIA, já está ótimo, não?
E TERESA faz um Duplo magnífico!
Não é uma oportunidade específica: é uma obrigação, em relação à Onda de Vida e à Lemniscata Sagrada, para aqueles que são, efetivamente, verdadeiros Duplos Monádicos, é tudo.

Questão: a que corresponde, igualmente, um forte batimento na têmpora esquerda?
A têmpora esquerda?
Há uma Estrela por ali.
Agora, eu vou fazer como BIDI: por que querer saber a que isso corresponde?
Isso prova que vocês está, ainda, apegada ao que acontece em seu corpo, portanto, você não soltou, em relação ao seu corpo.
Portanto, você está, ainda, apegada ao seu corpo.

Não é o fato de que você tenha uma dor, é o fato de que você tenha uma e que, depois, você me enuncia uma segunda.

Questão: durante as canalizações, um estalo no ouvido esquerdo acentua-se. Quando é que isso vai, enfim, abrir-se? 
Quando isso destapar-se.
É preciso, efetivamente, compreender que as circunstâncias Vibratórias e de Consciência da Terra, nesse momento, desde a Onda de Vida (ou seja, desde o mês de fevereiro e, sobretudo, março), tudo o que não se produz em vocês (em todo caso, eu falo de vocês, que seguem o que nós dizemos, desde mais ou menos muito tempo), vem, exclusivamente, de seus medos.

Isso foi dito, mas eu o repito: vocês têm medo de perder esse corpo.
Vocês estão demasiado apegados ao que creem ser.
E é a Verdade.

Nós não podíamos dizer isso há três anos, há quatro anos, há cinco anos.
Mas, hoje, nós podemos dizê-lo: vocês têm dado uma identificação ao corpo, têm trabalhado em seu corpo, têm trabalhado nas energias, têm vigiado, durante sua vida, para que esse corpo fique bem.
E olhem ao redor de vocês, todas as pessoas que têm essa insuficiência de percepção, que não sentem a Onda de Vida, vocês verão: são, geralmente, pessoas que se interessaram, eu diria, excessivamente, por seu pequeno corpo, ou seja, houve uma identificação ao corpo.
E, hoje, vocês pagam isso.

Questão: eu sinto uma dor do lado esquerdo do corpo, da cabeça ao quadril, durante as canalizações, em especial.
Isso poderia ser um bloqueio ao nível do Antakarana?
Em geral, é um desequilíbrio lateral da energia, do eixo Etéreo.
Agora, compreendam, efetivamente, não é um jogo de palavras que eu faço, na resposta há pouco.
Se vocês soubessem: se vocês fossem capazes de esquecer-se desse corpo, alguns instantes, mas, verdadeiramente, a dor não existiria mais.

Isso não é uma visão do Espírito, quer dizer que, em algum lugar, um corpo doloroso, hoje (eu repito, não era o caso há alguns anos), qualquer que seja a dor, ela faz apenas traduzir um apego a esse corpo e à materialidade, qualquer que seja a qualidade de seu Coração, qualquer que seja sua abertura.

Sua vida foi construída, no passado, com uma atração – pelos diferentes aspectos energéticos, alimentares – demasiado forte em relação à matéria.
É questão de estar nesse corpo, mas, verdadeiramente, Conscientizar-se de que vocês São muito maiores do que esse corpo.
E as circunstâncias Vibratórias – desde este ano, eu repito, hein, ou seja, desde a Onda de Vida – fazem com que vocês não Sejam esse corpo.
Mas é Vibratório, é a própria Consciência que lhes diz isso.

Portanto, isso quer dizer que sua Consciência opõe-se a isso.
Vocês têm medo de perder a materialidade.
Não a materialidade no sentido dinheiro, mas os aspectos da personalidade, da densidade, do corpo físico.
E isso será cada vez mais importante, aliás, até o tempo em que vocês percebam o que eu acabo de dizer.

Se sua Consciência, não se repetindo, estupidamente: «eu não sou esse corpo, eu não sou esse corpo» (porque, aí, vocês podem repeti-lo durante dez anos, isso nada mudará nas dores), mas se sua Consciência consegue soltar, de algum modo, em relação a esse corpo, vocês verão que a dor não tem mais qualquer razão de ser.
E, ademais, eu penso que isso possa explicar-se, muito simplesmente, ao nível do cérebro.

Lembrem-se de que, desde a Onda de Vida, se vocês portam a Atenção e a Consciência em algum lugar sobre esse corpo, isso reforça.
E a energia virá ao lugar em que vocês têm dor, o que explica que isso lhe dá ainda mais dor durante as canalizações.
E que alguns de vocês, pelo fato de pensar na dor, reforçam a dor, também.

Façam a experiência: vocês têm uma dor muito viva, vocês conseguem fazer outra coisa (porque vocês têm algo a fazer), a dor não os incomoda mais.

Questão: qual é seu ponto de vista sobre o ponto de basculamento para o Absoluto ou a Infinita Presença?
É um instante específico?
E como isso acontecerá?
Não há ponto de basculamento, é uma expressão.
Não é um espaço do corpo.
É como à época, quando SRI AUROBINDO havia explicado o Switch da Consciência, ligado à respiração, que passava dos pulmões ao Coração (ndr: esse processo é descrito na rubrica «Protocolos a praticar» de nosso site, sob o título «RAM – A Respiração do Coração»).
Do mesmo modo, há um basculamento da Consciência, que é identificável quando vocês passam do eu ao Si.

Se vocês são Absoluto, vocês observam, com extrema facilidade, os basculamentos e as Passagens.
Há algo como se isso sobressaltasse.
É a Consciência que muda de Vibração, que muda de estado (ou a não Consciência).

Portanto, não é para explicar: é algo que se produz no momento em que você o vive.
Não é porque eu vou explicar-lhe ao que isso parece que você vai identificá-lo, não: é porque você vai vivê-lo que você vai saber o que é isso.
Você vê a diferença?

O basculamento são as Passagens, é permanente, quando vocês são Absoluto: vocês passam de um ao outro, do outro ao um, e, a cada vez, há uma Passagem (que foi chamada assim, aliás), e essa espécie de ponto de basculamento: é a Consciência que bascula.

Agora, você não pode localizar o Absoluto.
Uma vez que é vivido, você sabe que é vivido.
E você o sabe, intimamente: não há qualquer interrogação que possa surgir porque, quando a Consciência torna-se não Consciência ou a-Consciência, você saiu, como dizem: você está Liberado.

Mas você não pode enganar-se, você não pode colocar-se a questão, porque você o sabe.
Portanto, não há localização antes, não é possível, não há qualquer marcador possível.
Em contrapartida, no instante em que você o vive, você sabe que o vive, porque é muito evidente.
E, é claro, para aquele que não o vive, é tudo, exceto evidente, hein?

Vá dizer a um peixe que está em um frasco, que ele está em um frasco.
Mas aquele que sai do frasco e que se encontra no oceano compreende que ele estava em um frasco.
Por mais que se queira explicar tudo ao peixe, que ele está no frasco, enquanto ele não saiu do frasco, o peixe não compreende.
É isso que vocês devem aceitar.

Portanto, se vocês procuram marcadores (como em relação ao Switch da Consciência, a respiração e outros), vocês não os encontrarão, jamais.

É claro, é a personalidade, o Si que procura localizar-se.
Mas não há necessidade de localizar-se porque, quando o Absoluto está aí, você não pode colocar-se questão alguma, é muito evidente.
Mas, enquanto não é vivido, você não sabe o que é.

O exemplo, eu vou dar como BIDI, com seu teatro; para mim, é o frasco, com o aquário (ndr: essa imagem já foi utilizada por O.M. AÏVANHOV, em sua intervenção de 10 de março de 2012).
Você é um peixe que gira há tanto tempo em um frasco, que não sabe que está em um frasco.
Mesmo que lhe falem isso, o que é que vai acontecer?
Isso vai excitar a curiosidade; você vai tentar representar que está em um frasco.
Mas você não pode ver que você está em um frasco.

Em contrapartida, seu cérebro vai agitar-se, você vai girar no interior do frasco, cada vez mais rapidamente: é o que BIDI chamou a refutação.
Mas como você sabe que conseguiu?
Bem, é simples, você não se coloca mais a questão, você Está no oceano e não o sabe, porque você vê o frasco.
E você não está mais no frasco.
Mas, enquanto você está no frasco, você não vê o frasco.

Questão: em um momento de íntase, eu senti uma Presença à esquerda.
Era o Duplo?
Mas o Duplo, ele se sente onde?
Ele se sente à esquerda (ou atrás, se é o CRISTO).

Portanto, você sentiu a Presença à esquerda ou atrás?
É tão simples assim.

Então – isso foi dito – agora, quando nós intervimos, sejam as Estrelas, os Anciões (eu, é diferente, porque a Vibração que eu emito não é, exatamente, a mesma, isso depende do nível em que em desço até vocês, porque eu sou Melquisedeque de Fogo, e vocês se arriscam a ter um pouco de calor), o que eu quero dizer com isso é que todos os estados em que descemos, através desse ser, vão desencadear, em vocês, agora, a ativação do Canal Mariano, é lógico.
Portanto, isso pode sê-lo, mas é, antes de tudo, a ativação do Canal Mariano.
E a Presença, como, por exemplo, disseram-lhes, há algumas semanas, algumas Estrelas: elas estão aí.
Vocês, seu cérebro vai imaginar que ela está, unicamente, naquele que fala, aqui.
Mas não, ela está, também, em vocês.
Portanto, vocês são cada vez mais numerosos a sentir, no momento em que nós descemos, não unicamente a Vibração, não unicamente a Luz, mas, também, a Presença real, ao seu lado.

Eu diria que é normal.
E, no mínimo, o Canal Mariano: não unicamente a Luz, não unicamente os chacras ou o kundalini, mas, também, o Canal Mariano.
A única coisa que nós não podemos desencadear, quando descemos, é a Onda de Vida, porque isso, é a Terra, não somos nós.

Questão: eu não sinto ainda Presença.
É ligado a medos, a bloqueios, ou ao fato de que o momento não chegou?
Mas isso foi dito esta tarde, parece-me (ndr: ver a intervenção de TERESA DE LISIEUX, de 3 de julho de 2012): vocês não estão, todos, na mesma fase de desenvolvimento das Presenças, nem do Canal Mariano.
Isso depende, se o Manto Azul da Graça foi integrado.
Isso depende, se a Onda de Vida subiu.
Se a Onda de Vida não subiu, a probabilidade e a possibilidade de sentir o Canal Mariano é muito mais frágil.
Isso não quer dizer que seja impossível, mas é muito mais frágil.

Então, obviamente, se a Onda de Vida não subiu, o que isso quer dizer?
Que há medo, que há medos, é exatamente o que eu dizia há pouco.
E, eu repito, para nada serve dizer: o medo, ele vem daí, porque ele aconteceu aí.
Isso nada mudará no medo.

É como, há pouco, em relação ao apego à materialidade: vocês têm pavor de morrer porque, até o presente, toda a sua vida, todas as vidas humanas são baseadas como se fôssemos imortais.
Mas nós não somos imortais, quando estamos em um corpo de carne.
E, sobretudo, no Ocidente, há uma recusa de ver a morte.

Portanto, enquanto o medo da morte existe, a Onda de Vida não pode subir.
Vocês estão apegados a esse corpo, mesmo se sejam seres espirituais que viveram a Coroa Radiante da Cabeça, as Estrelas, o Fogo do Coração.
Enquanto resta o mínimo medo (isso foi dito), o mínimo apego, vocês não conseguiram.

Questão: diante de uma pessoa que está no brilho do Si, na negação, o que fazer? 
Nada dizer, nada fazer.
Porque, diante desse gênero de pessoa que, além disso – como você diz, aparentemente – está na busca espiritual, vá dizer a alguém, que é um buscador espiritual, que nada há a buscar.
Veja você o que eu quero dizer: ele estará na reação terrível.

Ora, vocês não podem iluminar ninguém: é a história do frasco e do peixe.
Vocês não podem ir procurar aquele que está no frasco, jamais.
Vocês podem Amar, podem Servir, mas vocês não o farão, jamais, sair do frasco.

A atitude a mais correta é: não reagir, já, para não insuflar a energia da Dualidade, e compreender que vocês não podem levar ninguém para onde vocês estão, estritamente ninguém (nem filho, nem marido, nem o que quer que seja, nem quem quer que seja).
Isso se chama fazer o luto.
Isso corresponde ao que havia sido feito, em parte, pelo trabalho que foi realizado no mês de dezembro do ano de 2010, com a Passagem de URIEL da Garganta, na qual ele, pelos mecanismos Vibratórios, ao nível cósmico, aliviou-os dos apegos, o que vai facilitar a possibilidade de fazer o luto.
E os lutos foram feitos, exceto para aqueles que permaneceram apegados a algo, a alguém.

Então, é claro, isso concerne, como eu digo, aos seres que estão persuadidos de estarem em caminho espiritual.
O Irmão ou a Irmã que se interessa por tudo isso não vive qualquer desses inconvenientes, de momento.
É mais – como vocês dizem? – tranquilo, para ele, mas é uma falsa tranquilidade, isso, é certo.
Porque, mesmo se, hoje, vocês tenham a impressão – e como eu lhes digo – de que há bloqueios, então, vocês vão girar suas cabeças, porque o ego não fica contente quando se diz a ele que é bloqueado, não é?
Ele fica irritado; ele fica ofendido; isso o torna triste, como vocês disseram há pouco.
Mas isso é nada, porque essa reação é, por vezes, salutar, mesmo se vocês estejam em oposição.

Mas vocês não têm que desencadeá-la do exterior.
Se vocês são Absoluto, se saíram do frasco, vocês não têm interesse em dizer a alguém que está no frasco que ele está no frasco, porque vocês vão apontá-lo e vão pô-lo na reação.
Isso é importante a apreender.

E no que lhes concerne, a vocês – e eu não disse isso para as dores – o sofrimento vai amplificar-se, até o tempo que vocês soltem.
Enquanto vocês não estão abandonados, vocês resistem: é tão simples assim.
E para nada serve encontrar os mecanismos precisos que desencadearam isso.
A única pessoa responsável é você mesmo.
Não é nem suas relações, nem aqueles que os impedem de vivê-lo, porque não há ninguém que possa impedi-los de viver isso, nem qualquer situação, há apenas você mesmo.

E, cada vez mais, vocês estarão em face de si mesmos.
Encontrar aquele que lhes fez mal ou que os traiu, mas é um álibi.
Se isso existe em sua vida, é que vocês o têm em si, desde sempre.
Jamais é o outro, é, sempre, você.
Isso faz mal ao ego, mas é a Verdade.

Questão: isso quer dizer que, quando se observam interpretações, projeções, ilusões, mesmo em tudo o que é divulgado por vocês ou outros, não é preciso intervir? 
Quem é você para julgar as ilusões dos outros?
Mas alguém que está em uma projeção, que vai acreditar, por exemplo, nos fantoches ascensionados.
O que é que você quer fazer?
Explique-me o que você quer fazer.

O problema não é saber se você vê claramente ou não, porque você não sabe, jamais, se é você que está na projeção.
Só aquele que saiu do frasco pode afirmar.
E, ainda, ele não o fará, porque ele sabe que isso para nada serve.

Em todos os casos, cada vez mais, vocês vão encontrar-se confrontados a paredes.
Vocês vão vivê-lo em suas famílias e em suas relações: vocês não têm, todos, a mesma Evolução.
Mesmo se todos tenham sido Semeadores e Ancoradores de Luz, é preciso aceitá-lo.
Ninguém, hoje, pode saber o que vive o outro, exceto aquele que saiu do frasco.
Porque aquele que não saiu do frasco terá sempre, sistematicamente, uma visão dividida, que é uma visão que está impregnada de seu próprio caminho, de seu próprio ego, de sua própria pessoa.
O que você quer fazer nesse caso?
Você pode afirmar que tal ou tal projeta o que quer que seja, aliás?
É claro, cada um vai servir-se disso como quiser.

O mesmo texto pode ser compreendido por milhares de modos, e cada um vai puxá-lo para si, vai servir-se dele para seu uso pessoal que, para outro, pode ser totalmente ao oposto.
O que você quer fazer?
Isso sempre foi assim, há história da Humanidade.

E eu dizia, em minha vida: tudo o que passou, tudo o que carunchou deve ser quebrado.
O que acontece, hoje, desde o início deste ano, é totalmente novo.
O que quer dizer que vocês não têm marcadores (nem nos textos, nem nos escritos, nem nas experiências dos outros): você está sozinho, em face de si mesmo.

Porquanto, para alguém que tome o que eu digo hoje ou, por exemplo, o Yoga de UM AMIGO: mas há pessoas que fazem exatamente o inverso com o que nós lhes transmitimos.
E então?
O que você quer fazer?
Se você reage, é você que está no erro, não é o outro.
Porque, naquele momento, é você que se coloca no ego e na Dualidade.
É muito difícil para o ego aceitar.
Porque, se você não saiu do frasco, você não pode ter certeza de que o outro encontra o próprio registro lá dentro.
E, se você saiu do frasco, você sabe, pertinentemente, que para nada serve reagir, e você não reagirá, o que quer que diga o outro, o que quer que faça o outro.

Questão: mesmo se se veja alguém que tem uma evolução de Consciência importante, mas que está na projeção no que ele crê ser verdadeiro?
Em nome de que você interviria nas crenças do outro?
Você está, você, liberado de todas as suas crenças?
A mesma questão: você saiu do frasco?
Só aquele que saiu do bocal ou da prisão pode ver.
E, ainda, ele vê, mas nada dirá.

Questão: alguém que diz ter «saído do frasco» pode projetá-lo? 
Ele não pode projetar.
Jamais.
Alguém que saiu do frasco não pode, de maneira alguma, projetar o que quer que seja.
É seu quadro de referência que projeta, aí.
Saia do frasco e, depois, voltaremos a falar disso.

Questão: há diferentes meios de sair do frasco?
Sim, o planeta grelha é um meio excelente.
É o mesmo princípio como após os Casamentos Celestes, em relação ao Corpo de Existência: há seres que viveram acessos ao Corpo de Existência, que continuam a ir ao Sol, que vêm ver-nos nas embarcações, há muitos deles.
Agora, alguém que não vive isso, imaginem: vocês vivem suas energias, vivem sua Alegria Interior, e alguém que vem dizer-lhes que foi a uma Embarcação, que viveu isso.
O que vocês têm como meio, vocês que ali não foram, para dizer que é verdade ou que não é verdade?

E, agora, tomem dois seres que vieram ver-nos.
Nós sabemos que eles vieram ver-nos, mas os dois vão descrever-lhes algo de diferente.
Será que isso quer dizer que há um deles que mente?

Dito em outros termos, e como eu o disse, vulgarmente, em outra vez: ocupem-se de seus trazeiros.
É o quê, essa mania de querer ir tirar o outro das crenças dele, das projeções dele?
Se vocês veem uma crença, se veem uma projeção, o que isso quer dizer?
Isso quer dizer que ela está em vocês.
Isso, é próprio dos terapeutas que trabalham no psiquismo: eles veem à maravilha os defeitos dos outros, mas eles são incapazes de ver os próprios defeitos deles.
É, aliás, por isso, que eles são terapeutas, nesse nível.
Caso contrário, jamais eles teriam feito trabalho como esse, jamais.

Nada há de pior do que alguém que trabalha no espírito, e isso não é pejorativo: aqueles que trabalham no espírito das pessoas, na percepção do outro têm, por vezes, uma acuidade muito fina, para o outro, mas eles são persuadidos de que eles nada têm.
Enquanto o que vocês veem no exterior está em vocês.
Não é possível de outro modo.

Todos os seus medos, tudo o que vocês chamam projeção, no outro, estão em vocês, antes.
Quando vocês tiverem compreendido isso, vocês girarão sete vezes a língua em sua boca, antes de falar.
Porque, quanto mais vocês avançarem, mais esse problema vai apresentar-se: seu quadro de referências, suas crenças, suas projeções.
Mas, enquanto vocês projetam no outro o fato de que ele se engana, mesmo que seja verdade, isso quer dizer que vocês estão enganados, também.
É obrigatório.
Partindo desse princípio, eu repito, só aquele que saiu do frasco pode exprimir-se.
Mas, em geral, ele não o fará.
Porque ele vê seu nariz de palhaço, mas vocês não o veem.

Questão: portanto, a priori, aquele que saiu do frasco não tem razão de comunicar-se?
Mas eu não disse isso.
Ele pode e deve comunicar o que ele vive, com razão.
Mas ele não falará sobre o outro, porque ele sabe que não pode mudar o outro: o outro está no próprio frasco, ele não está mais no frasco.
E ele está infeliz pelo Irmão que está no frasco, mas ele sabe, pertinentemente, que o outro, se ele quer permanecer no bocal, ele ali permanecerá.
E, mesmo se ele diz que quer sair, se ele não saiu do frasco, é que ele está bloqueado em seu frasco.

Eu creio que uma das Estrelas disse, não há muito tempo: «não é porque vocês conhecem as leis da prisão que vocês sairão da prisão».
Isso é uma ilusão.
Por mais que vocês conheçam todos os mistérios do corpo, todos os mistérios do Espírito, todas as leis espirituais.

Vocês veem o que eu quero dizer?
Vocês apenas podem ver o que vocês mesmos são.
Enquanto vocês julgam, na medida com a qual julgam – ou portam um julgamento, ou uma apreciação – vocês se julgam, a si mesmos.
E, sobretudo, vocês veem o defeito do outro, mas não veem os próprios defeitos [ndt: expressão utilizada: “vous voyez la paille de l'autre, mais vous voyez pas votre poutre”].
Enquanto vocês não saem desse dilema, vocês estão confinados.
E vocês não estão prontos para sair.
Isso faz mal ao ego, mas é a Verdade.

Questão: existem técnicas, ferramentas para ir ver do outro lado do frasco?
Certamente não.
Isso foi dito por BIDI: não há passagem.
Aliás, mesmo IRMÃO K repetiu isso em sua vida: aquele que não foi ao outro lado da margem não pode compreender.
E é incompreensível.

Portanto, vocês podem girá-lo em todos os sentidos, em sua cabeça, vocês jamais sairão dele, enquanto não estão Abandonados.
Mas não contra o ego: ele é muito forte para fingir não compreender o que isso quer dizer, Abandonar-se.
Vocês fingem não compreender – não vocês, eu falo de maneira geral – porque vocês têm medo.
Não é pedido para compreender porque vocês têm medo, mas olhar.

Se vocês estão no frasco, é que vocês têm medo.
Não é questão de saber se são responsáveis, culpados etc.
Simplesmente, é preciso aceitar que é a Verdade.

Lembrem-se: a medida com a qual vocês julgam ser-lhes-á aplicada, exatamente.
Portanto, através de algumas questões que vocês colocam, aí, vocês estão se fechando em algo de incômodo, de muito incômodo.
E isso vai apresentar-se com cada vez mais acuidade, essa propensão a querer tirar o outro do frasco.
Ou crer que o outro, que não está no frasco, vocês, vocês estão no frasco e dizem: ele se projeta, ele não saiu do frasco.
É sempre assim.

Mas no dia em que vocês saírem do frasco, aí, vocês se calarão.

Não se pode inventar a saída do frasco.
Nenhum ser humano pode projetar ter saído do frasco, se ele não saiu do frasco, é impossível.
BIDI havia dito isso, com outros termos.

Aquele que saiu do frasco sabe disso.
Vocês não o sabem.
Imaginem alguém que está na prisão, que vê alguém no exterior, e diz-lhe: «você, hei, você saiu!».
Mas são seus próprios quadros de referências.

Vocês apenas podem ver o que vocês mesmos são: o outro é você.
E, quando nós lhes dizemos isso, vocês não compreendem, vocês não o vivem.
E, no entanto, é a Verdade.

Portanto, enquanto vocês veem algo que os perturba no exterior, é que está em vocês.
E vocês, enquanto estão aí dentro, vocês estão na Dualidade: aí, não se fala mesmo de Absoluto, vocês não estão, mesmo, na Unidade, vocês recaem na Dualidade.
É como se vocês tivessem visto a linha de chegada e que dessem meia-volta, em toda velocidade.
Por quê?
Porque vocês têm medo.

Questão: alguém que saiu do frasco, que vive o Absoluto, quando volta à personalidade (uma vez que as passagens são possíveis), manifesta a personalidade do mesmo modo?

Ele pode manifestá-la como ele quiser, mas ele não é mais concernido.

Vou tomar um exemplo de alguém que foi um muito, muito grande místico (que eu não encontrei, e eu não darei seu nome), que foi Absoluto, muito mais do que eu (eu, simplesmente, muito jovem, vivi a Fusão com meu Duplo; era já, extraordinário, e isso bastou para toda a minha vida).
Ele, ele era Absoluto.
Mas essa pessoa, que é Absoluto, e pode voltar à personalidade e fazer não importa o quê.
Porque as regras espirituais que vocês adotam (a moral, a ética, a integridade), isso foi destinado a forjar algo em vocês, que é o Si.
Mas aquele que não está mais na personalidade, porque foi Absoluto, ele É Absoluto, mas ele brinca com a personalidade: o que quer que ele faça, ele está Liberado.
É isso que vocês não compreendem.

Não há carma.
Aí, há uma visão que é dual, totalmente dual, vocês se afastam, totalmente, da Unidade.
Então, eu não falo, mesmo, de Infinita Presença, de Absoluto etc., ainda menos, de Existência.
Vocês tentam aplicar funcionamentos, regras – morais, sociais – da personalidade, a alguém que não está mais na personalidade.
E vocês julgam.
E vocês se enganam, e pesadamente.
Mas isso era previsível.
A partir do instante em que a Onda de Vida nasceu, nós sabíamos, pertinentemente, que muitos de vocês, que têm vivido a Ancoragem da Luz, que têm vivido a Descida do Supramental, iam confinar-se, ainda mais, no ego, e é o caso.
Mas o que nós podemos fazer?
Vocês continuam presos e prisioneiros.
Vocês se vangloriaram, de algum modo, do que eu chamo, efetivamente, o ego espiritual.
É preciso vê-lo, isso.
É preciso aceitá-lo.
Eu posso dizer-lhes isso, eu não estou mais no frasco, então, vocês sabem...
Ou, então, vocês vão dizer-me que eu estou, também, no frasco.

Questão: que fazer dos medos que nos impedem de sair do frasco? 
É preciso vê-los.
Já, para o ego, aceitar ter medo é enorme.
Mas, para vê-los, é preciso cessar de julgar.
Enquanto vocês julgam quem quer que seja, vocês não saem do frasco, porque o julgamento restitui-os à Dualidade.

Em definitivo, vocês estão Liberados, todos, estamos de acordo.
Mas o que há a viver, agora, é mais ou menos fácil, conforme, justamente, vocês tenham saído do frasco ou não.
Mas vocês não podem trabalhar nos medos (vocês têm protocolos que lhes foram dados): é preciso olhá-los e, já, ser Humilde.

Eu creio que TERESA exprimiu-o, longamente (ndr: sua intervenção de 3 de julho de 2012).
E, enquanto vocês olham o outro, falando das projeções e das ilusões dele, vocês não são Humildes, vocês estão no orgulho o mais total.
Dito em outros termos, e menos polidamente: ocupem-se de seus trazeiros.
Amem, e ocupem-se de seus trazeiros.

Questão: a tomada de Consciência de minhas projeções basta para superar essa Dualidade?
Na condição de que você se Abandone.
Já é um primeiro passo, digamos.

Questão: naquele momento, a refutação pode ser útil, e, se sim, em qual nível?
Sim, é claro.
Mas a primeira coisa a refutar é você mesmo, hein?, antes de refutar os outros.
Eu vejo que, aí, vocês giram ao redor de um problema que é crucial.
E que explica, perfeitamente, o que vocês vivem, ou não.

Olhem, é muito simples: enquanto nós lhes falávamos de Vibrações, enquanto havia a viver Vibrações (Coroa Radiante, kundalini, as Portas, as Estrelas, e tudo), tudo estava bem, porque sua Consciência estava focada no que se desenrolava em vocês.

Depois que há a Onda de Vida, o que acontece?
Há aqueles que vivem a Onda de Vida, e que estão Liberados, totalmente, Liberados Vivos.
E os outros, que raramente.
De quem a culpa

Isso foi dito: medo ou Amor.
Enquanto vocês são o medo, vocês não são o Amor.
Então, é sedutor dizer que há a Coroa Radiante, que emite o Amor.
Sim, vocês Ancoraram a Luz, portanto, necessariamente, vocês se deixaram atravessar pelo Amor.
Mas vocês, à parte terem se deixado atravessar, vocês São Amor?
Vocês compreendem a diferença?

Questão: há, de qualquer forma, uma contradição: quando se está no Amor e que se quer tentar ajudar o outro para que, justamente, ele vá para esse Amor...

Isso não é o Amor, é o salvamento, é não importa o quê.
Você faz apenas projetar suas próprias insuficiências.

Aquele que quer salvar o outro, que ele se salve a ele mesmo.
Enquanto vocês estão na projeção do amor, vocês não são Amor, é tão simples assim.
São todas as noções, humanistas, de serviço.
«Busquem o Reino dos Céus, e todo o resto ser-lhes-á dado em acréscimo».

Tornem-se Amor, e vocês não se colocarão mais a questão de ajudar, de salvar, e de intervir no outro: isso se fará, espontaneamente.
É toda a diferença entre a vontade de Bem, a vontade do ego, não é?
E o Ser que é Liberado.

Se vocês creem chegar ao Samadhi, à Liberação, agindo assim, voltaremos a falar disso daqui a milhões de anos.
Bom, vocês estão Liberados, efetivamente, mas isso não é uma solução, vocês se enganam a si mesmos.
Ser Amor e projetar o amor, isso nada tem a ver.

Falam-lhes de Transparência.
Houve conversas inteiras sobre isso: IRMÃO K falou disso (ndr: suas intervenções de 7 de junho de 2012 e de 19 de novembro de 2011), UM AMIGO falou disso (ndr: sua intervenção de 14 de setembro de 2011).
Como foi dito, não é uma transparência moral, em relação ao outro, é: você, ser Transparente, ou seja, deixar-se atravessar, não mais existir, vocês compreendem o que isso quer dizer?

Enquanto vocês existem, vocês não estão Liberados.
Vocês estão Liberados quando a Onda de Vida subiu até o alto, e quando ela revelou-se, lateralmente, e isso não pode dar qualquer dúvida.
Porque eles, já antes, nós os acolhíamos nas Embarcações, mas eles não estão mais localizados nesse corpo.
Eu posso dizer, também, enquanto vocês não viveram uma Fusão com um Duplo (CRISTO, MARIA, MIGUEL), vocês são prisioneiros, vocês não estão Liberados, mesmo se sentem o Fogo do Coração.
Vocês são Realizados.
Isso foi explicado, a diferença.

Vocês confundem Realização e Liberação.
Agora, vocês são livres de parar na Realização.
Mas, se julgam, estando Realizados, vocês caem de muito alto.
E isso foi explicado por BIDI: vocês não têm qualquer meio (Vibratório, intelectual, de percepção, de sentir, emocional, de crença) que lhes permita apreender o Absoluto.
É uma Verdade.
E as questões que vocês me colocam mostram que vocês não estão Liberados.
Em todo caso, para as últimas questões.

Questão: as pessoas que tiveram acesso a viagens com o Corpo de Existência, estiveram elas, portanto, na Ilusão de terem saído do frasco? 
Não, era a Realização.
Elas experimentaram – como diz BIDI – as camadas de cebola, é isso?
Não é uma saída do frasco, é uma saída a outro frasco.
Efetivamente, BIDI fala-lhes do teatro, da cena de teatro, da poltrona do espectador e de fora do teatro.
Portanto, eu acrescento outro frasco, que é mais sutil (ndr: ver, também, sobre esse tema, a intervenção de O.M. AÏVANHOV, de 10 de março de 2012).
Há o oceano, há um frasco invisível, e há um frasco visível.

Aquele que viveu a Existência, ele foi ao frasco invisível que, mesmo aquele que está no frasco visível, não pode ver.
É o mesmo princípio que a cebola.
Vocês estão persuadidos de que a Verdade é una.
Há uma verdade em cada nível: há leis que são válidas em um nível, não são as mesmas leis que são aplicáveis em outro nível, e são, ainda, outras leis em outro nível.

A dificuldade é que vocês estão convencidos de que o que vocês percebem, de que o que vocês vivem vai explicar-lhes o outro lado, ou o frasco invisível, ou o Absoluto.
Mas não é possível.
Vocês giram em círculo.

O Si não é uma Ilusão.
O Si é a Realização.
Há quantos seres humanos que sonham chegar a isso?

Questão: quando do planeta grelha, onde vão reencontrar-se aqueles que terão realizado o Si? 
Em sua Dimensão de Origem, Estelar.
É muito simples (nós já o dissemos, aliás, há muito tempo), com a possibilidade de Liberdade Dimensional.
E eles se aproximarão do Absoluto, ou seja, eles serão capazes (contrariamente a vocês, que estão no frasco visível) de vislumbrar o Absoluto, e de Sê-lo, no momento em que o desejarem.

Em contrapartida, aquele que é Absoluto, quando perde a forma física, ele Está onde quer, e ele É o que ele quer.
O problema é que vocês têm necessidade de uma identidade, vocês estão persuadidos de que tudo funciona com a noção de identidade.
Isso, é próprio da Consciência, que tem necessidade de um testemunho, que tem necessidade de um observador, que tem necessidade de um objeto, e que tem necessidade de um sujeito.

Em momento algum a Consciência pode dar-lhes acesso à não Consciência.
A não Consciência é o momento em que nada mais existe de qualquer identidade, de qualquer espaço, de qualquer tempo, de qualquer Dimensão.
Vocês a viveram?
No sono, sim, isso, BIDI disse, mas isso não basta para sair do frasco.

Questão: eu sou acompanhada por guias que atraem minha atenção ao que eu devo trabalhar. O que convém que eu faça?

Refute-os.
Um guia que lhe fala de trabalho, hoje, refute-o, para não dizer outra coisa.
Isso teria sido há alguns anos, sim, era preciso trabalhar.
Mas, hoje, o que é que nós lhes dizemos?
Parem.

A Terra está Liberada.
Vocês sabem o que isso quer dizer: a Terra está Liberada?

Questão: meus guias atraem minha atenção, como um lupa, sobre meus defeitos, por exemplo.

Guias engraçados.
Mas um guia pessoal não está aí para mostrar-lhe defeitos.
Isso, é do astral.

Um Ser de Luz fala-lhe de Luz.
Não é o objetivo de um guia.
Guiar, o que isso quer dizer?
Isso quer dizer levar ao bom porto, isso não quer dizer, sem parar, parar no caminho e dizer-lhe: «hei, olhe isso, isso não funciona».

Questão: o planeta grelha é o que se poderia chamar a quebra do frasco e provocaria o fato de que não haveria mais, de modo algum, frasco, depois?
Não, resta o segundo frasco invisível, felizmente.
É a Quinta Dimensão.

Questão: quando se segue ensinamentos Luciferianos, convém refutá-los?
Todo ensinamento é para refutar.
Deve apenas restar a Onda de Vida, o Manto Azul da Graça, apenas isso.

Questão: o que significa a expressão "se tal é sua Evolução"? 
Se tal é sua Evolução, porque as Evoluções são múltiplas.
A Passagem é obrigatória.
A Liberação é global.
Mas a Evolução de cada um é profundamente diferente.

Eu já disse: por que é que vocês iriam, todos, à mesma sala de cinema (saímos do teatro um pouco, hein)?
É como quando vocês falam em férias. Será que vocês vão todos ao mesmo lugar, em férias?
É incrível essa mania do ser humano, de querer que todo mundo vá ao mesmo lugar que ele.

Questão: isso pode querer dizer que pode haver, por exemplo, como uma predestinação?
Sim, vocês são inteiramente determinados e condicionados.
O livre arbítrio é uma bobagem da Dualidade.
O carma não existe, ele existe apenas para a pessoa, não para o que você É.
O problema são os ensinamentos sobre o carma (e isso faz parte dos ensinamentos Luciferianos) que os mantém no confinamento.
Porque, o que é que eles lhes vendem?
Que, amanhã, isso irá melhor.
Sim, mas amanhã, isso, jamais, vai melhor.
Eles lhes vendem valores morais, valores de Dualidade.

O que vocês São não é, de modo algum, concernido pela Dualidade.
Não sobre esse mundo: as leis físicas, elas são o que elas são, mas o que vocês São, não são as leis físicas.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Então, caros amigos, eu lhes agradeço por sua atenção, e eu lhes desejo, sobretudo, não terem demasiado pesadelos, através do que eu lhes disse.
Que isso não os impeça de dormir, não é? Hein?
Mas é importante, agora, que se lhes arranque os trazeiros um pouco.
Não é mais tempo de fazer girar as bicicletas, porque o relógio gira.
Então, vocês vão responder-me que vocês têm a Eternidade.
Vocês, sim, mas a Terra, não.
E os ciclos, tampouco.
Portanto, é importante, agora, finalizar muitas coisas em vocês.
E, aliás, isso vai finalizar-se sozinho, hein, isso vai – como se diz? – ejetar.
Isso vai ejetar, cada vez mais.
Portanto, aproveitem bem, tenham belos sonhos e, depois, eu lhes digo, certamente, até uma próxima vez.
Eu lhes transmito todas as minhas bênçãos, e obrigado por essa discussão que foi extremamente agradável.
Mas saiam do frasco, hein?
Até breve.
________________________________________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

Um comentário:

  1. No velho conhecimento, existe gravação cerebral; no novo, ele, o conhecimento, enquanto surge, nos atravessa completamente, não deixando qualquer marca (velha memória). Esta é uma das razões pelas quais costumo registrar o que me surge de interessante, pois, do contrário, a posteriori, não conseguiria recuperar tais ocorrências. Por isto, também estes meus comentários a cada MSG deste Blog, que me são úteis até como informe de tê-las lido. No mundo do acontecer, que não é o do fazer, de nenhum modo a "forma" é cerebralmente gravada. Quanto à presente MSG, eis alguns registros de expressões fundamentais: "É só você que pode obstruir a recepção da Luz <> É claro, é a personalidade, o Si que procura localizar-se <> Vocês não podem levar ninguém para onde vocês estão <> Enquanto vocês não estão abandonados, vocês resistem: é tão simples assim <> O mesmo texto pode ser compreendido por milhares de modos, e cada um vai puxá-lo para si, vai servir-se dele para seu uso pessoal que, para outro, pode ser totalmente ao oposto <> Não é porque vocês conhecem as leis da prisão que vocês sairão da prisão <> O planeta grelha é um meio excelente para sair do frasco <> Como foi dito, não é uma transparência moral, em relação ao outro, é: você, ser Transparente, ou seja, deixar-se atravessar, não mais existir, vocês compreendem o que isso quer dizer? <> Enquanto vocês existem, vocês não estão Liberados <> Vocês são inteiramente determinados e condicionados. O livre arbítrio é uma bobagem da Dualidade <> O carma não existe, ele existe apenas para a pessoa, não para o que você É". Ainda diria: ESTA REALMENTE FOI UMA MSG DAQUELAS... SOB MEDIDA E TUDO MAIS DE PRECIOSO.

    ResponderExcluir