Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

1 de jul de 2012

IRMÃO K – 1 de julho de 2012



Mensagem publicada em 2 de julho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Áudio da Mensagem em Francês

Link para download: clique aqui


Eu sou IRMÃO K.
Irmãos e Irmãs na Humanidade, que o Amor estabeleça-se nos elementos que eu tenho a aportar-lhes.
Vou tentar, através de minha intervenção, dar-lhes a ver a situação que é a sua, sobre esse mundo, durante este período.

Vou falar-lhes dos últimos Véus, presentes em sua consciência nesse mundo, que vão tirar-se e que vão dar-lhes a viver certo número de elementos.
Os Véus de que vou falar-lhes concernem tanto ao que lhes foi escondido nesse mundo, como ao que lhes foi escondido em relação à sua própria Consciência, ao que vocês São, para além do que vocês vivem, do que vocês creem ser, mas maquinações de sua vida.

Esse mundo, como eu o dizia em minha última encarnação, é doente, muito fortemente doente.
Eu esclareço, de imediato, que não é a Vida que é doente, mas a condução dos assuntos desse mundo, para aqueles que se colocaram – e que vocês, talvez, portaram – no alto da escala de valores sociais e que orientam, de algum modo, à maneira deles, o destino da humanidade, ao descaso das leis da Consciência, porque essas consciências estão, elas mesmas, recobertas de Véus da personalidade, de que, vocês sabem, que o que os dirige são, antes de tudo, o medo, a apropriação e a predação.

Esses Véus, conforme o que lhes foi dito há algumas semanas, por MARIA, estão dissolvendo-se e vão levá-los, de algum modo, a ver, de maneira direta, crua e, por vezes, cruel, quais foram os objetivos desses Irmãos e dessas Irmãs que se deixaram cegar pelos princípios da predação, da apropriação e a falta de respeito da Vida e da humanidade.
Esses Véus são apenas um dos lados do que venda sua consciência.

Existe, é claro, no humano, como vocês sabem, certo número de corpos e de envelopes.
Cada corpo e cada envelope é portador de princípios específicos que lhe permitem interagir nesse mundo.
Eu não vou entrar na constituição desses envelopes ou corpos, mas cada um desses corpos é guiado por princípios.
Esses princípios juntam-se, vocês podem imaginar, àqueles de seus Irmãos e de suas Irmãs que estão no topo da apropriação, no topo da falsificação e do confinamento da humanidade, e que são supostos de guiá-los, assisti-los, e cujo resultado é, estritamente, ao oposto do que vocês pensam e do que vocês acreditaram.

A consciência humana limitada é voltada para ela mesma, eu diria, na satisfação de necessidades primordiais, na satisfação do que é necessário para levar a efeito a vida sobre esse mundo.
Elas são, de algum modo, apenas a amplificação e a multiplicação do que existe em cada ser humano.
São eles responsáveis?
São eles culpados?
Estão eles conscientes ou inconscientes?

Eu diria a vocês, de imediato, que isso não deve desestabilizá-los e não deve, tampouco, fazê-los entrar em uma mecânica e uma lógica de reação, ao que se descobre e será descoberto.
Bem ao contrário, além mesmo da noção de ignorância, que era a sua até o presente, e da noção de revelação que surge, vocês devem ir, é claro, muito mais adiante, para penetrar, real e verdadeiramente, no que eu chamaria uma consciência de perdão, mas, também, uma consciência de lucidez, que vai consistir em encarar e ver, claramente, os prós e os contras daqueles que se supõem estar acima de vocês, ao menos ao nível das leis sociais, morais e econômicas desse mundo.

Mas lembrem-se, naqueles momentos, de que, se eles estão aí é que, em algum lugar, em sua própria consciência, houve espaço para permitir isso.
E que, se, por sua vez, vocês se põem a condenar, a julgar e não, simplesmente, ter a consciência e a clareza de ver as coisas tais como elas são, isso não os levará a lugar algum.
Como em toda revelação, desse lado do mundo no qual vocês estão, é importante vigiar para manter uma forma de neutralidade, que vise apaziguar a reação que eu qualificaria, lógica, no confinamento de todo humano que descobre o que se pode nomear um princípio de traição e um princípio de descaso da Vida.

A ausência de seu julgamento, a ausência de sua condenação, de sua parte, é essencial, bem além do perdão, se vocês retêm o que eu lhes disse, ou seja, que suas próprias ilusões, seus próprios Véus permitiram isso.
Isso não faz de vocês, contudo, culpados, mas, de algum modo, nós todos tivemos – e vocês todos têm, todos, hoje, do lado no qual vocês estão – uma forma de responsabilidade.
Mas a responsabilidade não deve desembocar em uma culpa, ainda menos, em um julgamento, mas, bem mais, em uma iluminação lúcida dos prós e dos contras, que permite passar outra, eu diria, das emoções normais e das reações normais, para interessarem-se apenas ao que isso significa para vocês, a título individual, o que isso significa para sua consciência porque, como vocês sabem, o que é visto no exterior corresponde, necessariamente, mesmo sobre esse mundo, ao que existe no Interior de si.

O que vocês julgam no exterior será julgado no Interior.
O que existe no exterior existe, também, no Interior, mesmo se não é na mesma medida nem na mesma escala.
Trata-se, contudo, dos mesmos mecanismos que estiveram no trabalho e que correspondem, simplesmente, a elementos da personalidade, amplificados por aqueles que representam – ou supõem-se representar – sua própria vida, em diferentes instituições oficiais desse mundo.

Assim, essa lucidez e esse olhar portado ao exterior não deve fazê-los perder de vista que esse mesmo processo existe no Interior de todo ser humano e que é baseado, para o essencial, no medo: o medo da falta, o medo da competição, o medo da predação, o medo da traição.
Porque o que é traído apenas pode existir, previamente, no Interior de si mesmo.
Isso deve engajá-los a, efetivamente, pesar as reações eventuais que possam sobrevir no Interior de sua consciência limitada, porque todos os Véus – para muitos de vocês – não estão, ainda, totalmente, retirados, e não lhes dão uma clara visão dos prós e dos contras.
Mesmo se alguns dos Anciões, progressivamente e à medida dos anos, independentemente de mim e antes de mim, transmitiram-lhes certo número de elementos que, qualquer que seja a exatidão deles, não têm sido experimentados por sua própria consciência e, portanto, vividos por sua própria consciência, além do que havia sido afirmado.

As coisas são bem diferentes, hoje, porque a consciência daqueles de vocês que se abriram, de uma maneira ou de outra, para outra coisa que não o que é dado a ver comumente, está, de algum modo, preparada, por esse modo, a aceitar o que vai desvendar-se, a aceitar que a noção de humanidade foi, efetivamente, corrompida, por alguns desses seres que, lembrem-se, fazem apenas amplificar o que existe no interior de cada um, enquanto não empreendeu uma diligência de conhecimento da própria consciência, para além das implicações dessa vida, de suas necessidades, de seus medos e de suas faltas.

Assim, independentemente do que lhes seja dado a ver, independentemente do que lhes for desvendado, de uma maneira ou de outra, apreendam, efetivamente, que o importante não está aqui e não está em qualquer reação que vise equilibrar qualquer coisa na qual o desequilíbrio não pode ser resolvido, porque demasiado antigo, demasiado inscrito na própria vida da humanidade encarnada, mas, efetivamente, dar-lhes uma iluminação que vai, de algum modo, dar-lhes um impulso para voltarem-se, ainda mais, para uma solução interior que levará, aí também, a retirar os últimos Véus, que concernem aos corpos sutis e, portanto, aos princípios de confinamento em suas próprias emoções, em seu próprio mental e seu próprio quadro de vida, em todos os seus aspectos.

O importante é, portanto, aí: não reagir, exteriormente, ao que será desvendado, mas, efetivamente, começar, no Interior de si, uma forma de exame de consciência, bem além de qualquer culpa, bem além de qualquer julgamento de si mesmos, mas, efetivamente, chamando-se a reajustar-se, ao mesmo tempo sabendo que esses reajustes inscrevem-se em algo de bem mais profundo e de bem mais amplo do que trazer um simples equilíbrio, do que deslocar a consciência para um equilíbrio novo, mais exato, mais íntegro.

O período de transformação atual, iniciado desde quase uma geração, chega, agora, como vocês sabem, à sua conclusão.
Tudo o que se desenrola e desenrolar-se-á, tanto em vocês como sobre a Terra, será apenas o resultado da ação da Inteligência da Luz, que consiste em iluminar a Sombra, e vê-la e deixá-la Transfigurar-se pela Luz, tanto em vocês como no exterior de vocês.
A Inteligência da Luz é atuante.
Ela tem uma ação, e essa ação é a de restabelecer, por ela mesma, não uma justiça, mas um restabelecimento da harmonia das leis universais, que não estão presentes nesse mundo, mas que estão presentes, eu o preciso, na Vida, no sentido o mais amplo (quaisquer que sejam a forma, o aspecto dessa vida), desde o que são chamados os Mundos Unitários, passando pelo Absoluto ou, ainda, pelas diferentes dimensões possíveis de experiências.

Esses últimos Véus concorrem, de maneira ativa, ao Choque da Humanidade, individual e coletivo.
Vocês sabem que o Choque da Humanidade pode passar por certo número de etapas, das quais algumas lhes foram comunicadas, há certo tempo, por SRI AUROBINDO, e concernem a essas etapas que se desenrolam em tempos mais ou menos longos.

O trabalho e a obra realizados por vocês mesmos, assim como por aqueles que se têm ao seu lado, doravante, de algum modo, amorteceu o choque dessa Revelação e o fato de que esses últimos véus que se tiram, nesse momento mesmo, vai permitir amortecer sua própria consciência e permitir-lhes, também, se tal é sua orientação, afastar-se disso, não se desviando, mas, efetivamente, vendo-os pelo que realmente são, ou seja, medos manifestados por alguns Irmãos e algumas Irmãs que se deixaram arrastar por seus próprios medos, instalando medos ainda maiores e um controle ainda maior da vida e da consciência.
Os véus exteriores não lhes aportam nada mais do que isso, quando eles forem retirados.

É claro, isso não concerne, infelizmente, à grande maioria da humanidade, que entrará em um mecanismo de reação que, no medo inscrito ao nível individual, é apenas lógico e inexorável.
Seu meio o mais eficaz de ser, naqueles momentos, é o não agir em relação a essa revelação exterior, mas, bem mais, encontrar um estado permanente de ver, claramente, as coisas, não reagir e deixar, ainda e sempre mais, trabalhar a Inteligência da Luz, nesse desvendamento.

Voltem-se para si mesmos, não para julgarem-se, aí tampouco, não para culpar-se, mas, efetivamente, para responsabilizar-se, não em relação a essa responsabilidade passada, mas, bem mais, para ir além dessa simples reação, dessa simples compreensão ligada a essa Revelação.
Isso deve levar a um impulso, como eu disse, necessário para liberá-los do que lhes parecia, no entanto, lógico e normal, em sua vida.

Vocês todos sabem – e nós todos sabemos – que o humano supera-se e transcende-se nas situações as mais difíceis e que é, nessas situações as mais difíceis, que o sentido da humanidade, da fraternidade, pode aparecer de maneira a mais espontânea, de maneira a mais natural.

Todos os elementos traumáticos, que sobrevêm em um lugar ou em outro da Terra, são, geralmente, acompanhados de um sentimento de solidariedade na prova, de um sentimento de fraternidade que, no estado usual, não existia.
Esse aspecto, bom e fraternal, do humano, manifesta-se, efetivamente, de maneira muito mais fácil nas circunstâncias difíceis do que nas fáceis.
Isso concerne, contudo, apenas à consciência comum, à consciência de sua própria personalidade, de seu próprio papel nesse mundo.

Paralelamente a isso, é claro, ocorre outra revelação que lhe concerne, mais diretamente, à sua intimidade a mais profunda e que cocerne ao que vocês São, em Verdade.
Eu não voltarei a tudo o que lhes foi dado, por alguns Anciões e por outras Consciências, concernente à Realidade além do que vocês acreditam, do que vocês vivem sobre esse mundo.
Cabe a cada um de vocês fazer-se, não unicamente sua própria ideia, mas, também, desvendar-se, a si mesmo, através de certo número de virtudes que lhes foram dadas.

O que eu havia explicado há um ano, quase dia a dia, concernente ao Eixo ATRAÇÃO-VISÃO, vê-se, hoje, Transcendido pelo Manto Azul da graça e retificado, de algum modo, explicando, com isso, e pela Liberação da Terra, o que se produz sobre a Terra, atualmente.
As reações do humano serão, sempre, função de sua própria consciência.
A barbárie e a violência, sempre em ressonância com o medo, são ligadas, de algum modo, a uma consciência que mantém o medo, que mantém o isolamento e que mantém o confinamento.

O acesso ao Si, o acesso à Consciência Unificada, a Realização do Si, a Liberação do Absoluto são tantos elementos que não devem deixar lugar para qualquer ação da personalidade, no interior de si mesmos, como em seu ambiente de vida o mais próximo ou o mais amplo.

Os últimos véus, que serão retirados pela ação da Luz e pela ação de sua consciência, assim como pela Liberação da Terra, vão conduzi-los a certo número de decisões (nós podemos nomeá-las assim).
Essas decisões vão decorrer, diretamente, do que lhes será dado a ver sobre esse mundo, como em vocês.
Essas decisões não devem ser guiadas pelo sentido de qualquer reação, de qualquer vingança, mas, bem mais, por seu próprio estado Interior de desvendamento.
É, portanto, um convite, quaisquer que sejam as circunstâncias ditas exteriores, para compreender que elas estão, também, em vocês, e que é, sobretudo, agindo em vocês, que vocês amortecerão as circunstâncias exteriores.

Isso, é claro, recorre à fraternidade, à doação, ao partilhar e ao amor exprimido pelo humano, quando ele está em uma situação na qual não há alternativa que não manifestar sua fraternidade, seu amor e seu sentido do serviço.
Vejam isso, portanto, mais como algo de desagradável.
É, de fato, de algum modo, um abscesso que deve ser perfurado.
Mas esse abscesso que se perfura, como vocês sabem, acompanha-se de transformações bem mais amplas do que transformações sociais, societárias, afetivas, econômicas ou políticas.
Elas precedem, de algum modo, o que é nomeada uma mudança Dimensional, uma Ascensão, uma mudança de frequência de vida, que os faz passar por outra forma de consciência.
Isso é, é claro, inevitável, inexorável e inscrito em um calendário extremamente curto, em termos terrestres, e que vai desvendar-se, a cada dia, um pouco mais.

O papel que foi o seu, como Ancoradores e Semeadores de Luz, deve dar-lhes a certeza Interior para realizar um estado exato no Interior de si mesmos, do qual decorrerão ações exatas, que não dependem de qualquer reação, de qualquer sensibilidade emocional, nem que decorram de qualquer sentimento de traição, de julgamento ou de agressão.

A força Interior, o despertar da fraternidade humana far-se-á, o que quer que seja disso.
Vocês são, portanto, convidados, não a julgar esses eventos exteriores, esses elementos exteriores, mas, bem mais, a colocarem-se em uma situação na qual será necessário fazer a Paz.
E essa Paz, antes de ser a Paz com o mundo é, antes de tudo, uma Paz consigo mesmos.

Algumas coisas devem ser vistas em vocês.
Algumas funções Vibratórias da Consciência, traduzidas pelos Quatro Pilares do Coração, vão representar ajudas inestimáveis para permitir-lhes sobrepor a primeira reação, a primeira violência.
É graças a esse impulso, essa primeira fase do Choque da Humanidade, que vão desenrolar-se, em vocês, mecanismos inéditos, se eles ainda não se desenrolaram, que consistem no que eu não descreverei, mas que têm por origem o Supramental, a Onda de Vida, o Coração, o Kundalini.

Um conjunto de elementos que vão pô-los em um cenário novo, que nada mais tem a ver com o que pôde existir até o presente.
A consciência que é sua, qualquer que seja seu ponto de partida. É chamada a expandir-se, de modo extremamente potente.
O que vocês são, hoje, não terá qualquer ponto comum com o que vocês serão durante esse desenrolar.

Passadas as primeiras reações – e no intervalo prévio a essa espécie de Dissolução final da Ilusão – restará a vocês concluir sua transformação.
A transformação do mundo realiza-se pela ação da Terra, pela ação da Luz, pela ação de irradiações que vêm do Sol Central da Galáxia.

O que se produz, no exterior, produz-se em vocês.
Mas o que se produz, em vocês, ressoará com o que se produz no mundo, tanto no ponto o mais próximo, como no ponto o mais afastado de vocês.
É, portanto, em vocês, a título individual, que repousa a qualidade da transição que está em curso.

Nós sempre dissemos que era a Terra que decidia.
A Terra está Liberada, ela, portanto, decidiu.
Esse momento chegou, a título individual, desde o nascimento da Onda de Vida, que lhes permitem ser liberados, inteiramente, de todos os confinamentos, de todos os medos e de tudo o que constituía um quadro de vida definido e conhecido, que lhes permite ajustar-se, por estratégias diversas, às próprias circunstâncias da vida, tal como ela era.
Essas circunstâncias da própria vida vão mudar, extrema e profundamente.

Eu repito, essas circunstâncias não requerem nada mais, de sua parte, que não olhá-las pelo que elas são, e compreender que isso se desenrola, também, em vocês, e necessita, de sua parte, uma atenção toda especial, que visa elaborar, não reações, mas estratégias, aí também, que lhes permitam, de algum modo, agarrar-se, ao mais perto, dos impulsos da alma, dos impulsos de sua consciência que se expandirá.

O modo de perceber e os modos de percepção que são seus – seja pelos sentidos ou, além dos sentidos, pelo mental e as emoções – vão, eles também, modificar-se, o que lhes dá e leva-os a uma tomada de distância, justamente, de tudo o que é exterior e que poderia arrastá-los a algo de inconveniente e contrário à sua Liberação e à sua Ascensão.

A ordem de prioridades, obviamente, vai mudar.
Ela será definida, de maneira diferente, para cada lugar desta Terra, em função do que há a purificar para esse lugar, aí, onde vocês estão.
Vocês são, portanto, parte de um lugar, qualquer que seja e onde quer que vocês estejam.
As circunstâncias serão, obviamente, diferentes, de acordo com os lugares, mas as circunstâncias Interiores serão – se se pode dizê-lo – estritamente as mesmas, uma vez que vocês terão aceitado olhar, de maneira lúcida, clara e objetiva, o que lhes será dado a ver, a perceber, a ouvir.

O fato de retirar os últimos Véus vai, de algum modo, permitir à consciência reencontrar-se diferente, reencontrar-se como posta a nu, na qual nada mais poderá ser escondido, em vocês, também.
Cabe a vocês nada recusar do que é visto, em vocês, não, eu repito, para julgar-se, mas, efetivamente, pelo fato de compreender os mecanismos que, simplesmente, pelo fato de observar o que se desenrola em vocês, vai conduzi-los a superar e a transcender – além de qualquer ação de retificação pela ação da própria Luz – o que deve sê-lo.

A retirada dos últimos Véus vai atualizar, em vocês, o que resta, eu diria, de seus próprios apegos, de seus próprios erros, de seus próprios medos.
Isso deve ser olhado lucidamente, não para a isso dar importância, não para nutrir isso, mas, efetivamente, para aceitar olhá-lo, calmamente, como algo que está desaparecendo por si mesmo.
É o melhor modo que vocês têm de não dar importância a esses medos, a esses apegos, que podem ser, ainda, os seus, e que estavam, provavelmente, ao abrigo nos últimos recantos de sombra que se situam no que vocês são.
É a esse preço que a Transparência será vivida.
É a esse preço que sua consciência poderá enfrentar e superar o que se desenrola, tanto em vocês como no exterior de vocês.

O mais importante, é claro, é, num primeiro tempo, não reagir.
É lógico, nesse sistema de vida, que todo ser humano tenha tendência a reagir, de maneira imediata, a um evento, qualquer que seja, a fim de encontrar um novo equilíbrio que o remeterá a certa forma de segurança.
Lembrem-se, naqueles momentos, de que, se vocês conseguem retardar sua reação imediata, vocês eliminarão, de imediato, o primeiro Véu, que é aquele nomeado o véu emocional ou corpo emocional.
Se vocês são capazes de superar isso – seja pela lucidez Interior, pelo Alinhamento, pela meditação ou por qualquer técnica que os afaste dessa reação imediata – constatarão que, muito rapidamente, pela ação da própria Luz e por sua não ação, essa necessidade de reagir, ao nível emocional, desaparecerá, de maneira extremamente rápida, devido às circunstâncias de Luz e devido à revelação coletiva.

Em um segundo tempo que é, em geral, sucedâneo, com extrema rapidez, após a retirada do primeiro Véu – emocional – sobrevêm o mental e o corpo mental, aquele que vai querer fazê-los refletir, querer fazê-los adaptar-se, de acordo com os modos de funcionamento que lhes são conhecidos, porque experimentados por seu próprio passado e utilizados em seu próprio passado.

As circunstâncias do mundo, em seu ambiente específico, não permitirão recorrer a repetições de esquema de funcionamento, ao nível mental, que existiu e que funcionou em seu próprio passado.
É aí que será necessário demonstrar, eu diria, certo sentido da inovação, não no sentido de uma hiperatividade mental, mas, bem mais, aí também, como o diria aquele que se nomeia BIDI, refutar os pensamentos que vão chegar, em um primeiro tempo, porque esses pensamentos que chegam em um primeiro tempo serão, justamente, coloridos de sua experiência passada, de suas experiências e de suas alegrias, elementos que lhes são conhecidos e que lhes pareciam, ainda, possíveis a adaptar e a adotar, a fim de preservarem-se de certo número de elementos.

Se vocês aceitam não seguir seus próprios pensamentos, que não são os seus, e que são oriundos de circunstâncias passadas, se vocês vão além disso, vão aperceber-se, muito rapidamente, de que elementos novos vão aparecer, de maneira espontânea, sob forma de pensamentos, geralmente, fulgurantes, que, estritamente, nada tem a ver com seus modos de funcionamento usuais e habituais.
É, justamente, essa fulgurância, como relâmpagos ou flashes, como intuições fulgurantes, que vão chegar, em um segundo tempo, que serão as mais adaptadas, de algum modo, às suas estratégias para adaptar.
E a particularidade delas é que essas estratégias por-se-ão no trabalho, de maneira extremamente fácil, extremamente facilitadora, mesmo, para sua consciência, o que não será o caso, é claro, se vocês adotam estratégias que foram utilizadas pelo passado e que lhes são conhecidas.
Aí também, adiem, de algum modo a instauração de suas primeiras ações em relação a esses primeiros pensamentos e deixem vir, ao invés disso, o que sobrevirá em um segundo tempo e que lhes aparecerá e que será posto no trabalho de modo muito mais fácil e evidente, a partir do instante em que vocês não estão na reação imediata de pensamentos imediatos, em relação ao que sobreveio e adveio em sua vida ou no mundo.
O segundo Véu, então, será retirado.

Restará, ainda, outro Véu, que é aquele de seu corpo causal, que é ligado – ele, ainda mais – a todas as memórias de suas experiências passadas nesse mundo.
Superar esse Véu é, de algum modo, o que é chamado e nomeado o Abandono do Si.
É – de algum modo, e dito em outros termos – de algum modo, Abandonar-se à Divina Providência, não como uma oração, mas, bem mais, como uma aceitação.
Essa aceitação decorrerá dela mesma, e deixará decorrer dela mesma novos elementos, e esses elementos serão diretamente oriundos da Luz Vibral, do Supramental, da Onda de Vida e da Consciência Unificada ou do Absoluto.

Naquele momento, o conjunto de sincronias possíveis estabelecer-se-á para vocês e permitirá pôr-se à distância dos dois primeiros Véus, o que permite, assim, viver nesse mundo, no Choque dele, um estado que, para vocês, interiormente, nada mais terá a ver com o Choque, mas poderá aparentar-se a um sentimento de Paz interior que lhes parecerá, em um primeiro tempo, paradoxal, em relação ao estado do mundo e em relação ao estado do que deveria ser normal para vocês, nos tempos usuais.

Vocês não se reconhecerão mais em seus modos de ação, em seus modos de comportamento e na facilidade com a qual se adaptarão e adotarão algumas novas coisas.
A Inteligência da Luz estará, então, na obra, inteiramente, em vocês.
Não é mais sua vontade que agirá, não são mais suas referências sociais ou morais que agirão e que determinarão suas ações, mas, bem mais, a própria Inteligência da Luz que, de algum modo, formatará suas ações e dirigi-las-á para mais facilidade, mais evidência, mais Transparência e menos interação.

Assim, o que pode aparecer como terrível ou aterrorizador no exterior será, para vocês, exatamente o oposto, a partir do instante em que vocês resistem às suas próprias emoções, não a elas opondo-se, mas, simplesmente, adiando-as.

Do mesmo modo, para o segundo Véu mental, aceitando que os primeiros pensamentos que vêm não podem corresponder a algo ligado à novidade da situação, mas, bem mais, em ressonância com suas ações e reações passadas, de formas de condicionamento de que convém liberar-se, aí também, adiando a ação e o comportamento.

Se vocês respeitam essas algumas regras Interiores, vocês se aperceberão, muito rapidamente, que tudo se esclarecerá, tanto em sua consciência como no que há a viver sobre esse mundo, neste período.

A tomada de distância que é, de fato, uma tomada de tempo, é o que é necessário e salutar para vocês, para adotarem-se a si mesmos na nova energia, ou seja, permitir um processo de adaptação muito mais simples e muito mais fácil, qualquer que seja, eu diria, a evolução dessa vida, que é a sua, quaisquer que sejam as revelações, bem mais importantes, que sobrevirão algum tempo mais tarde.

Lembrem-se de que a personalidade é construída sobre o efêmero.
Ela é construída sobre o medo e sobre a não Transparência, sobre o fato de poder esconder o que vocês têm vontade de esconder, porque isso concerne ao que vocês nomeiam sua vida privada, sua vida íntima, e não concerne, de modo algum, a um vizinho, a um parente, a um irmão, a uma irmã ou qualquer outro Irmão e Irmã humano, presente em seu ambiente.
Vocês se aperceberão, muito rapidamente, de que tudo isso não tem mais curso, de que existem capacidades novas, devido, mesmo, ao desenrolar do que se aproxima, de que seu próprio modo de funcionamento de consciência, independentemente dos três primeiros Véus, será profundamente diferente.

Isso poderá ocasionar um sentimento de estranheza, um sentimento de irrealidade e, no entanto, essa estranheza e essa irrealidade são as primícias de sua própria Translação Dimensional.
Aqueles de vocês que foram percorridos pela Onda de Vida e que se tornaram ela, aqueles de vocês que recepcionaram o Supramental, inteiramente, constatarão que algumas experiências efetuadas quando de Alinhamentos, quando de exercícios espirituais, ver-se-ão decuplicadas, naqueles momentos.
E é nesses aspectos específicos de sua consciência que será necessário apoiar-se, porque é neles, precisamente neles, que se encontram os recursos necessários para realizar o que vocês têm a realizar.

E o que vocês têm a realizar não é, tanto, preservar o que quer que seja, mas acolher, ainda mais, essa Nova Consciência que é a sua, que é vocês, e que se manifestará a partir do ponto em que vocês estão, até um ponto muito mais elevado.
Se vocês aceitam essas algumas recomendações, e se vocês as vivem, constatarão, por si mesmos, de maneira extremamente facilitada, sem discussão possível, que é a única solução, as únicas atitudes a observar, a fim de desvendar, totalmente, a consciência, qualquer que seja seu futuro e qualquer que seja sua evolução.

Isso dispõe, de maneira geral, como uma visão panorâmica, que os leva a não julgar-se, assim como a não julgar os eventos, mas, efetivamente, olhar o que se instaura, o que se mobiliza, a colocar-se, aí também, de algum modo – e isso será tanto mais fácil pela ação da Luz – em uma situação daquele que observa, ao invés do que naquele que reage a um evento.
Esse sentido da observação faz parte, aí também, da Consciência Nova, e é, precisamente, aqui, nesses mecanismos, que se encontrarão as verdadeiras soluções.

As verdadeiras soluções concernem apenas à Consciência.
Elas não concernirão, de modo algum, ao que, até o presente, para vocês, podia parecer o mais ponderado e o mais essencial como, por exemplo, um teto, como, por exemplo, o dinheiro, como, por exemplo, a rotina da vida comum.

O que vem, nada tem de comum, é, justamente, um Desconhecido.
A preparação efetuada por BIDI, através do que lhes foi comunicado é, também, destinado, é claro, a esses momentos, porque nada do que lhes parecia comum e habitual persistirá.
Um Desconhecido levantar-se-á, um Desconhecido múltiplo e multiforme, que necessita, de sua parte, não opor-se, não entrar em conflito consigo mesmos como no exterior, a fim de beneficiar-se dos influxos da própria Luz e, também, é claro, do conjunto de nossas Presenças, que poderá aparecer-lhes, na percepção, ao seu lado.

MIGUEL disse-lhes: vocês podem chamar a Presença dele, não para pedir-lhe algo de específico, mas, simplesmente, para que a Presença dele manifeste-se ao seu lado, aja, por ela mesma.

Essa noção de eliminação da personalidade é extremamente importante.
Isso não é, certamente, uma demissão, não é, certamente, uma negação, mas, efetivamente, a capacidade de superação de seus próprios medos, de seus próprios apegos, que favorecerá o aparecimento de soluções novas e de adaptações novas às situações que vocês terão a viver.

Se vocês respeitam esses alguns preceitos, constatarão, mas com extrema rapidez, que todo equilíbrio novo será obtido facilmente, quaisquer que sejam as circunstâncias exteriores, as mais próximas ou as mais distantes de vocês.
Vocês serão, naquele momento, desacoplados, de algum modo, de uma vida comum.
Vocês serão, de algum modo, naquele momento, desacoplados das problemáticas ligadas à personalidade: medos e apegos.
Vocês descobrirão, muitos de vocês, territórios inexplorados, territórios novos, nos quais se encontrarão contentamentos e provas novas do que vocês São.

Não há outro modo de preparar-se.
Qualquer preparação exterior seria vã, porque ela os remete à falta, ao medo e o intervalo de tempo – que foi reduzido, graças ao seu trabalho – permitirá suportar, de algum modo, esse intervalo de tempo, em alguns casos, com a maior das alegrias e a maior das felicidades, a partir do instante em que vocês aceitam não fazer funcionar os Véus antigos que, de todo modo, estão sendo tirados.

É, portanto, a vocês que cabe ser, mais do que nunca, lúcidos, bem mais sobre seus sinais Interiores do que os sinais exteriores desse mundo, que não poderão mais ser escondidos, nem mantidos ao abrigo da consciência, eu diria, coletiva.

Através disso, através do que a personalidade poderia chamar uma prova, o que vocês São vai descobrir, em Verdade, uma etapa formidável e essencial, para ser, enfim, o que vocês São, para além de todas as contingências de confinamento, de predação, de medo, inscritas em sua personalidade, como no corpo coletivo da humanidade.

Eis a visão, portanto, panorâmica, que eu queria transmitir-lhes e que está, certamente, além, é claro, dos momentos de Paz que vocês podem cultivar – sejam seus Alinhamentos, seja a possibilidade que vocês têm, doravante, independentemente desse horário que vocês conhecem de 19 horas [hora francesa], de religar-se à sua própria Essência e de beneficiar-se dos influxos da Luz – e na condição de que vocês deixem trabalhar essa Luz, sem manifestar qualquer vontade, baseada em suas próprias experiências e seus próprios hábitos passados.

Se, em vocês, em relação a essas generalidades e essa visão panorâmica, levantam-se questões, então, eu permaneço com vocês para tentar ali aportar uma iluminação suplementar.  

Não temos perguntas. Agradecemos.

Irmãos e Irmãs na Humanidade encarnada, eu rendo graças por sua Presença e por sua escuta.
Diante da ausência de questões, eu lhes proponho viver um momento de Comunhão, nós todos, aqui presentes.

Como vocês sabem, o Canal Mariano dá a possibilidade, para cada um de vocês, de viver minha Presença.
Assim, portanto, acolhamo-nos, uns aos outros, em um momento de Paz que corresponde à atitude que vocês devem observar, se querem permanecer na Paz, no que se desenrola, nesse momento mesmo, e que vai retirar os últimos Véus de sua consciência, como da consciência da humanidade.

... Partilhar da Doação da graça...

Irmãos e Irmãs, eis, portanto, o estado no qual vocês serão capazes de encontrar a Paz, a serenidade e a segurança, no que há a viver.

Se vocês tomam por hábito, antes de qualquer ação e qualquer decisão, tomar alguns instantes de Comunhão consigo mesmos, com um dos Arcanjos, uma das Estrelas ou um dos Anciões, eu posso assegurar-lhes de que o que decorrerá disso será, para vocês, extremamente facilitador e que esses momentos serão vividos, para vocês, de maneira muito mais fácil do que o que vocês poderiam imaginar ou projetar pelo medo e a ignorância do que vem.

Vocês são, portanto, convidados a manter presente, em algum lugar de vocês, que é nesse estado que pode sobrevir, mais facilmente, a evidência do que há a implementar, a observar, a praticar ou a evitar.

Eu sou IRMÃO K, e todo o Amor de meu Ser está em seu Ser.
Eu os saúdo e eu lhes digo até breve.
________________________________________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/.

2 comentários:

  1. Já pelo começo desta MSG, pelos elementos a serem aportados, já era evidente que teríamos ainda maiores proezas aclaradoras do Irmão "K"; que só se confirmou, aliás. Eis alguns trechos de mais puro deleite, subretudo para aqueles que se veem, claramente, não mais regidos por sua consciência pessoal: "Esse mundo, como eu o dizia em minha última encarnação, é doente, muito fortemente doente <> O período de transformação atual. Iniciado desde quase uma geração, chega, agora, como vocês sabem, à sua conclusão <> Tudo o que se desenrola e desenrolar-se-á, tanto em vocês como sobre a Terra, será apenas o resultado da ação da Inteligência da Luz, que consiste em iluminar a Sombra, e vê-la e deixá-la Transfigurar-se pela Luz, tanto em vocês como no exterior de vocês <> Esses últimos Véus concorrem, de maneira ativa, ao Choque da Humanidade, individual e coletivo <> Isso é, é claro, inevitável, inexorável e inscrito em um calendário extremamente curto, em termos terrestres, e que vai desvendar-se, a cada dia, um pouco mais <> O que vocês são, hoje, não terá qualquer ponto comum com o que vocês serão durante esse desenrolar <> Passadas as primeiras reações – e no intervalo prévio a essa espécie de Dissolução final da Ilusão – restará a vocês concluir sua transformação <> A transformação do mundo realiza-se pela ação da Terra, pela ação da Luz, pela ação de irradiações que vêm do Sol Central da Galáxia <> O que se produz, em vocês, ressoará com o que se produz no mundo, tanto no ponto o mais próximo, como no ponto o mais afastado de vocês. É, portanto, em vocês, a título individual, que repousa a qualidade da transição que está em curso <> Nós sempre dissemos que era a Terra que decidia. A Terra está Liberada, ela, portanto, decidiu <> As circunstâncias serão, obviamente, diferentes, de acordo com os lugares, mas as circunstâncias Interiores serão – se se pode dizê-lo – estritamente as mesmas, uma vez que vocês terão aceitado olhar, de maneira lúcida, clara e objetiva, o que lhes será dado a ver, a perceber, a ouvir <> O que vem, nada tem de comum, é, justamente, um Desconhecido. A preparação efetuada por BIDI, através do que lhes foi comunicado é, também, destinado, é claro, a esses momentos, porque nada do que lhes parecia comum e habitual persistirá <> Um Desconhecido levantar-se-á, um Desconhecido múltiplo e multiforme, que necessita, de sua parte, não opor-se, não entrar em conflito consigo mesmos como no exterior, a fim de beneficiar-se dos influxos da própria Luz e, também, é claro, do conjunto de nossas Presenças, que poderá aparecer-lhes, na percepção, ao seu lado".

    ResponderExcluir
  2. Uma mensagem do Irmão k, onde não adianta apenas ler...É preciso, mastigar bem, para sentir a preciosidade, a profundidade de suas colocações. Alguns itens:

    "Esse mundo, como eu o dizia em minha última encarnação, é doente, muito fortemente doente.
    E que, se, por sua vez, vocês se põem a condenar, a julgar e não, simplesmente, ter a consciência e a clareza de ver as coisas tais como elas são, isso não os levará a lugar algum.
    A ausência de seu julgamento, a ausência de sua condenação, de sua parte, é essencial, bem além do perdão, se vocês retêm o que eu lhes disse, ou seja, que suas próprias ilusões, seus próprios Véus permitiram isso.
    Mas a responsabilidade não deve desembocar em uma culpa, ainda menos, em um julgamento, mas, bem mais, em uma iluminação lúcida dos prós e dos contras, que permite passar outra,...
    ...porque todos os Véus – para muitos de vocês – não estão, ainda, totalmente, retirados, e não lhes dão uma clara visão dos prós e dos contras.
    ...que o importante não está aqui e não está em qualquer reação que vise equilibrar qualquer coisa na qual o desequilíbrio não pode ser resolvido, porque demasiado antigo, demasiado inscrito na própria vida da humanidade encarnada, mas, efetivamente, dar-lhes uma iluminação que vai, de algum modo, dar-lhes um impulso para voltarem-se,...
    ...encontrar um estado permanente de ver, claramente, as coisas, não reagir e deixar, ainda e sempre mais, trabalhar a Inteligência da Luz, nesse desvendamento.
    As reações do humano serão, sempre, função de sua própria consciência.
    ...de maneira diferente, para cada lugar desta Terra, em função do que há a purificar para esse lugar, aí, onde vocês estão.
    Lembrem-se, naqueles momentos, de que, se vocês conseguem retardar sua reação imediata, vocês eliminarão, de imediato, o primeiro Véu, que é aquele nomeado o véu emocional ou corpo emocional.
    ...após a retirada do primeiro Véu – emocional – sobrevêm o mental e o corpo mental, aquele que vai querer fazê-los refletir,...
    ...que se nomeia BIDI, refutar os pensamentos que vão chegar, em um primeiro tempo,...
    ... a esses primeiros pensamentos e deixem vir, ao invés disso, o que sobrevirá em um segundo tempo e que lhes aparecerá e que será posto no trabalho de modo muito mais fácil e evidente,...
    Vocês não se reconhecerão mais em seus modos de ação, em seus modos de comportamento e na facilidade com a qual se adaptarão e adotarão algumas novas coisas.
    A Inteligência da Luz estará, então, na obra, inteiramente, em vocês.
    Se vocês respeitam essas algumas regras Interiores, vocês se aperceberão, muito rapidamente, que tudo se esclarecerá, tanto em sua consciência como no que há a viver sobre esse mundo, neste período.
    E o que vocês têm a realizar não é, tanto, preservar o que quer que seja, mas acolher, ainda mais, essa Nova Consciência que é a sua, que é vocês, e que se manifestará a partir do ponto em que vocês estão, até um ponto muito mais elevado.
    O que vem, nada tem de comum, é, justamente, um Desconhecido.
    Vocês serão, naquele momento, desacoplados, de algum modo, de uma vida comum."

    Ser contaminada com esse conteúdo, ..."eu rendo graças por sua Presença" e por sua fala.
    Gratidão Célia, por seu trabalho, em um momento único.
    Noemia

    ResponderExcluir