Seguidores

SE VOCÊ COMPARTILHAR ALGUMA MENSAGEM DESTE BLOG, FAVOR REPRODUZI-LA EM SUA INTEGRALIDADE, CITANDO A FONTE OU INDICANDO O LINK DA MESMA.

21 de dez de 2015

DEZEMBRO DE 2015

ASCENSÃO


ORIONIS (aqui)


SERETI (aqui)

GEMMA GALGANI (aqui)

MARIA (aqui)

CRISTO (aqui)

MESTRE PHILIPPE DE LYON (aqui)

IRMÃO K (aqui)

ANAEL - Parte 1 (aqui)

ANAEL - Parte 2 (aqui)

O.M. AÏVANHOV - Parte 1 (aqui)

PATRIARCA DE VEGA (aqui)

YVONNE AMADA DE MALESTROIT (aqui)

GEMMA GALGANI - Parte 2 (aqui)

O.M. AÏVANHOV - Parte 2 (aqui)

MARIA - 18 de dezembro de 2015 (aqui)


------
Se puder, considere uma contribuição aqui

MARIA – 18 de Dezembro de 2015



Eu sou Maria, Rainha dos Céus e da Terra.
Filhos da Alegria e do Amor, onde quer que vocês estejam hoje, dignem-se receber as minhas homenagens de Mãe, de irmã e de Luz idêntica à sua.

… Silêncio…

Eu venho entre vocês para dar-lhes os últimos elementos úteis à sua Ascensão que está em curso.
Esses elementos concernem, é claro, ao conjunto de mecanismos de sua consciência que se modifica, hoje, de modo cada vez mais visível.
Eu não voltarei a essas alterações que se produzem, nesse momento mesmo, concernente ao tempo e ao espaço, aquele de seu corpo, aquele de sua consciência, como aquele da Terra, que se modifica, profundamente, nesse momento mesmo.
Eu nada vou dizer-lhes mais do que eu pude dizer há pouco tempo, mas, simplesmente, fiquem atentos ao que se desenrola em sua vida, tanto em si como ao seu redor, não para ali procurar elementos de resposta, não para tentar transformar o que quer que seja, mas, bem mais, para convidá-los a ali viverem a Graça.

Na desordem atual, a transformação que isso representa, quer seja para a consciência como para o corpo físico – da Terra como para o seu – vocês vão dar-se conta, se já não foi feito completamente, que não há outra possibilidade que não a de viver e aquiescer ao Amor, não tal como vocês pensam nele, não tal vocês o imaginam, mas, bem mais, tal como ele se vive, em cada sopro, agora.

A partir do instante em que vocês se colocam em sua eternidade, e deixam essa eternidade efusionar-se e infusionar-se em sua vida, em sua consciência, a injunção da Luz vai transformar-se, se já não foi feito, em um apelo definitivo, aquele no qual nunca mais vocês poderão duvidar nem esperar o que quer que seja mais que não o que vocês são, ignorando, mesmo, circunstâncias desse mundo como circunstâncias de sua própria vida, em sua linearidade, tal como vocês a tinham vivido anteriormente.

Hoje a Luz vem, a cada sopro, à periferia de seu ser, como no interior de seu ser, e todas as circunstâncias que se desenrolam em vocês e ao seu redor estão aí, em sua vida, apenas para assentá-los, ainda mais, em sua eternidade.
É nessas circunstâncias que será ouvido meu Apelo.
É claro, o que lhes é dado a viver, quer seja individualmente como coletivamente, pode representar, eu diria, uma forma de terror ou de dor para o que corresponde à marcha linear do tempo.

Não se esqueçam de que vocês saem do tempo, tal como o concebem, mas, também, do espaço, tal como o concebem e viviam-no até agora.
Há, portanto, um convite permanente para a Graça, para a Luz e para a Alegria.
Esse convite pode, no entanto, traduzir-se, em vocês, por momentos de resistência, que é devido, em definitivo, apenas ao desconhecimento do que pode restar de sua pessoa, do que é a totalidade da Luz em manifestação, em encarnação, tanto nesse mundo como em seu corpo.

As circunstâncias de suas vidas não serão, jamais, mais adequadas e mais úteis à sua instalação em sua eternidade, o que lhes dá, então, a viver uma Ascensão na qual nada pode nem resistir nem prender-se ao que vocês são, na eternidade.
É isso que vocês vivem, uns e os outros, onde quer que estejam em sua vida, onde quer que estejam em seu mundo.
Os mundos de Luz instalam-se em vocês, ao seu redor, o que lhes dá, efetivamente, a ver, por vezes, o que poderia parecer, à primeira vista, como exatamente ao oposto da Luz.
Mas se vocês vão além das aparências, além do que lhes dita sua consciência comum, se permanecem calmos, se permanecem tranquilos, se voltam sua consciência, unicamente, para o que se desenrola ao centro de seu ser e em seu peito, então, todo o resto vai, efetivamente, desaparecer como por encantamento.
Mas vocês sabem bem que não é um encantamento, mas a estrita verdade da Luz em revelação.

A vida convida-os, portanto, cada um de vocês, de todas as maneiras possíveis e imagináveis, a viver essa fusão com a Eternidade.
Assim, não reclamem contra qualquer das circunstâncias de sua vida, de seu corpo ou da própria sociedade, ou dos próprios países, porque todas essas resistências, em definitivo, são apenas oportunidades, sempre maiores, de voltar-se para si mesmos, de encontrar a fonte, concreta, e de maneira definitiva, de sua própria luz que é Luz.

Vocês vão aperceber-se, se já não é o caso, de que vai tornar-se cada vez mais difícil trabalhar como de costume ou como vocês tinham o hábito, e cada evento e cada circunstância de sua vida vai fazê-los posicionar-se ou na resistência à Luz, ou na aquiescência definitiva à Luz.
A cada ocasião, a cada circunstância, a cada dia e a cada hora que passa, é-lhes oferecida uma multidão de graças – mas essas graças não são consagradas à pessoa – e consagradas, prioritariamente, é claro, à sua eternidade, ao seu fortalecimento, à sua manifestação na encarnação, sua revelação.
E isso não depende de vocês, isso depende apenas de sua capacidade para ir, ainda mais profundamente, em si, atravessar o que pode, ainda, parecer serem obstáculos, obstruções.

Não se interessem por isso.
Vão, ainda e sempre, mais profundamente, segundo as injunções da Luz, segundo a Ação de Graça que se revela em sua vida, ou segundo, mesmo, as resistências que podem, ainda, estar presentes.
Não se atrasem no que faz apenas passar e que passará, mas atrasem-se, sim, ao invés disso, nos elementos ainda pontuais que não passarão, jamais, porque eles são sua eternidade.
Isso não demanda de vocês qualquer esforço, bem ao contrário, mas sim, doravante, um relaxamento completo de tudo o que fazia seu quotidiano, de tudo o que fazia com que a vida continuasse, como vocês poderiam dizer, com bom humor.

As injunções da Luz tornam-se cada vez mais penetrantes, e vocês sabem que, em relação a isso, há apenas duas reações possíveis: o medo ou o Amor.
O conjunto de tecidos sociais da sociedade mostra-lhes exatamente a mesma coisa.
O que está corrompido deve morrer, o que é efêmero deve desaparecer, apenas deve permanecer o inabalável da Liberdade, da multidimensionalidade e da Alegria.
Todo o resto – eu digo, sim, todo o resto – dissolve-se e desagrega-se, nesse momento mesmo.

Não tenham medo de nada, porque vocês têm, em si, a força e todas as forças necessárias e úteis para atravessar isso.
Nesse sentido, a imperiosidade atual da Luz faz apenas traduzir isso: fazê-los ir sempre mais profundamente, ao mais próximo do que vocês são na eternidade, e deixá-la manifestar-se, desvendar-se, inteira e completamente.
Aí está o estado de Graça, ele não está na resiliência de uma problemática, qualquer que seja, nem na solução de um problema, qualquer que seja.
A Inteligência da Luz é tal, sua repartição e sua distribuição ao conjunto da Terra torna possível uma multidão de graças para cada um de vocês.
Não há esforço, há apenas que se reconhecer a si mesmos, reconhecer-se não na história de uma pessoa, não nos eventos felizes ou infelizes, mas, cada vez mais exclusivamente, eu diria, em sua eternidade, na alegria e na graça do Amor e da Luz, que são sinônimos da verdadeira Liberdade.

A Liberdade não se pode comprar, ela não se pode vender; é o mesmo para a Luz.
Ela está em vocês, na totalidade, pronta a jorrar e a tudo invadir, se já não foi feito.
Isso demanda de vocês nada mais do que ficarem atentos, não ao que se desenrola na tela da consciência, na tela de sua vida ou de seu corpo, mas, bem mais, ao que se produz, justamente, quando tudo isso desaparece.
Quando há, realmente, essa rendição sem qualquer condição ao Amor que vocês são, então, nada mais se opõe ao Amor, nada mais se opõe à Graça e nada mais se opõe, tampouco, à sua Ascensão.

Aliás, inúmeros de vocês começam a viver fenômenos que jamais foram descritos na superfície dessa Terra, nem, mesmo, no que nós lhes temos transmitido para dirigi-los, se posso dizer, para sua eternidade.
Inúmeros sinais manifestam-se à sua consciência, quer seja ao nível do corpo, quer seja em suas interações com uns e os outros e quer seja, mesmo, na tela de sua consciência – quer sejam saídas do tempo, saídas do espaço convencional, quer seja por mecanismos mais íntimos que os fazem descobrir que vocês não são, realmente, o que acreditam ser, mas, ainda bem mais, do que vocês teriam podido imaginar ou projetar.

Mas, para isso, é preciso, efetivamente, nada mais projetar e nada imaginar, terem-se cada vez mais disponíveis para sua eternidade.
Vocês sabem, houve experiências da consciência que foram realizadas durante anos, houve apelos da Luz e, depois, houve a atribuição vibral, as injunções da Luz.
Hoje, eu diria que se trata de uma evidência da Luz.
É essa evidência que vocês devem ver, e vocês não a verão agindo em qualquer ação, mas, bem mais, colocando-se, aí onde vocês estão, acolhendo-a, esvaziando-se do que não é vocês, não por um ato de vontade, mas instalando-se no aqui e agora, no eterno presente, porque as graças não podem ser distribuídas alhures ou de outro modo que não no instante presente.

A Alegria, o Amor, a Liberdade encontra-se aí, agora, e encontrar-se-á, cada vez mais exclusivamente, nesse nível.
Quaisquer que tenham sido as ajudas que lhes tenham sido aportadas, os reencontros com a Luz que vocês têm vivido, quer seja com os Elementos, com os povos da natureza, com irmãos e irmãs na carne, tudo isso vai parecer-lhes, eu diria, mesmo, supérfluo, porque há uma evidência que surge no interior de vocês.
Essa evidência nada tem a ver com tudo o que é conjuntural, nada tem a ver com o que é efêmero.

É nesse posicionamento que vocês adotam agora que vocês podem, cada um de vocês, ver o que pode, ainda, resistir e opor-se à verdade da Eternidade.
São, de algum modo, as últimas oportunidades de darem-se conta, de posicionar-se, de aquiescer ou não à verdade do Amor e da Luz que se estabelece nesse mundo.
A Terra ascensiona, vocês sabem.
Existem inumeráveis sinais disso, onde quer que vocês olhem, a partir da loucura dos homens até o amor dos homens, passando pelos Elementos ou, ainda, por sinais cósmicos inumeráveis, que estão às suas portas, hoje, e, portanto, alguns já são manifestados a grupos de humanos.

Meus filhos bem amados, eu nada venho revelar-lhes mais do que isso.
Cada dia que sua vida vive nesse mundo, cada dia que se desenrola e revela-se nessa interação entre o efêmero e o Eterno deve vê-los tornar-se cada vez mais firmes na verdade da Luz, do Amor e na humildade dessa verdade.
Lembrem-se de que não há esforço a fornecer.
Não é mais tempo de procurar – e ainda menos do que anteriormente – explicações, coisas fora de vocês, porque tudo, e de maneira irremediável, está, agora, inscrito em vocês e revelado em vocês.

O conjunto de chaves vibrais, o conjunto de circuitos vibrais, também, está, doravante, concluído no plano coletivo.
Olhem bem no interior de si, olhem, realmente, o que vocês são, o que é independente de qualquer circunstância, de qualquer idade, de qualquer relação, de qualquer questão ou, mesmo, de qualquer evidência.
Vão além do que já apareceu e vão, firmemente, ao Coração do Coração, para esse desconhecido que pode, ainda, aterrorizar alguns de vocês.

A potência da Luz é tal, que o Choque da Humanidade, no momento em que ele se apresentar de maneira coletiva, terá impactos moderados, não no aspecto geofísico da Terra, mas no que eu chamaria a consciência coletiva do conjunto de consciências presentes sobre a Terra.
Eu poderia dizer, de outro modo, que os momentos os mais difíceis não são depois, mas eles são agora.
Através do que vocês aceitam ver ou não ver, em vocês, entregar à Luz ou não, daí decorrerá o resto, e esse resto, vocês sabem, será anunciado pelos sons do Céu e da Terra.

Se vocês se encontraram, real e inteiramente, nada mais do que é exterior pode vir agitar ou perturbar sua Luz.
Nenhum evento de seu próprio corpo, nenhum evento desse mundo pode tocar o que vocês são.
Disso, vocês vão se aperceber, de maneira cada vez mais flagrante e cada vez mais rápida, se já não foi feito.

Então, eu venho, ainda, dizer-lhes mais uma vez, meu Amor, minha inabalável Presença.
Eu venho dizer-lhes, ainda uma vez: deixem-se banhar na alegria do Amor e na alegria da Liberdade.
Nada temam, quer seja para esse corpo, quer seja para o amanhã, quer seja para os mecanismos celestes que se põem a caminho.
Mas eu não lhes digo isso para convencê-los, mas, simplesmente, para dizer-lhes que tudo está em vocês, mais do que nunca, e que se mantém, em vocês, sua Presença Eterna, com o conjunto de codificações de Luz ativada, pronto a jorrar como Espírito do Sol, Cristo Solar e Filho do Sol.

Isso apenas espera vocês, independentemente, mesmo, de qualquer momento coletivo, que está inscrito em um futuro extremamente próximo.
Mas, através disso, não procure data, se não é a urgência para encontrar-se e descobrir-se, inteiramente, na verdade de sua Luz.
Sua Presença é, doravante, quase física, para aqueles de nós que têm essa função ao nível do processo e do desenrolar da própria Ascensão.

Em vocês, também, a injunção da Luz faz-se, eu diria, cada vez mais fina, cada vez mais potente, mas, também, cada vez mais precisa, o que os leva a iluminar o que não havia podido ser, ainda, iluminado, o que os leva, como eu disse, a depositar todas as armas, do combate, da luta, da oposição, para entrar, diretamente, aqui mesmo e agora, em sua eternidade, não mais por momentos, não mais por estados, mas de maneira definitiva, porque é aí que se encontra a solução para tudo o que pode apresentar-se à sua consciência, à sua vida e a esse mundo.
E nisso, a Graça trabalhará, sempre, de modo cada vez mais explosivo, se posso dizer, o que dá fulgurâncias cada vez mais evidentes.
E, mesmo se o que resiste, em vocês, apareça, também, cada vez mais evidente, não se inquietem com isso.

A Luz é um bálsamo, a Luz é curadora, a Luz é iluminadora, ela ama.
É o que vocês são, todo o resto tem apenas um tempo.
É essa Eternidade que lhes é oferecida agora, nos últimos tempos da Graça, que precedem o meu Apelo e os sinais celestes.
Aperfeiçoe cada dia como se amanhã vocês não pudessem mais estar aí.
Aperfeiçoem cada minuto como se, no minuto seguinte, vocês não estivessem mais aí.
O que é que não está mais aí?
Sua pessoa, mas não a Vida, mas não o Amor.
O Amor e a Vida estão, justamente, aí porque a pessoa não está mais aí.
É isso que vocês constatam e vivem, mesmo se isso se faça, ainda, por alguns sobressaltos ou algumas interrogações.

Vão à frente de si mesmos, abram-se a si mesmos, inteira e totalmente.
Porque a Luz, agora, não, unicamente quer vocês inteiramente, mas os quer em manifestação de Luz na superfície desse mundo, independentemente de qualquer consideração de pessoa, de história, de linhagem, de origem ou de futuro.
A Eternidade desvenda-se, agora, então, o que pode fazer o resto?
O que pode fazer a dor, a falta, a dificuldade e, mesmo, a satisfação dos desejos, quaisquer que sejam?

Assim, eu venho dizer-lhes que, mais do que nunca, nos dias que se desenrolam agora, qualquer que seja a desordem do mundo ou a desordem de sua pessoa, há, em vocês, a totalidade da Luz, a totalidade da consciência vibral, a totalidade do Absoluto, que se têm no limiar de sua própria consciência.
Sejam espontâneos, sejam verdadeiros e sejam, sobretudo, cada vez mais lúcidos, a cada instante, a cada sopro, não das circunstâncias de sua vida, mas dessa Eternidade.
A Eternidade deve, de algum modo, tomar todo o lugar de sua consciência, e é exatamente o que está acontecendo.
Vocês veem isso?
Vocês o vivem?

Quanto àqueles de vocês que estariam, ainda, nos medos ou em projeções de qualquer futuro, mesmo em relação ao Evento, eu venho dizer-lhes: esqueçam-se disso, porque o Evento também está em vocês, ele está na porta de seu coração.
Então, para nada serve olhar a tela do mundo, se vocês não olham a tela de seu coração, para fazer desaparecer toda tela.
Lembrem-se de que isso será cada vez mais fácil para a eternidade e cada vez mais difícil para o efêmero, o que lhes dá a ver que a Vida é Una e Amor, e que, mesmo o efêmero e o Eterno, finalmente e em definitivo, ao juntarem-se à sua eternidade, põem-nos, se posso dizer, no mesmo banho vibral e no mesmo banho ascensional, mas despojados de toda inquietação, de todo medo ou de toda necessidade de antecipar o que quer que seja.

Lembrem-se de que a fonte de seu coração é, efetivamente, seu próprio coração.
Até agora, a relação era extremamente importante.
O Arcanjo Anael, como Arcanjo da Relação e do Amor, exprimiu-lhes isso, de diferentes modos, acompanhando-os no curso desses anos.
Mas, hoje, além da relação, há o que eu nomearia a relação última de seu coração ao seu coração, que efetua o último basculamento e reversão da Terra, como de sua consciência.
Tudo isso está inscrito em vocês e atualiza-se em vocês.
Então, olhem, em si, o que é resiliente e olhem, em si, o que está sofrendo – e deixem o que está sofrendo.
Procurem o apoio de sua Luz, procurem a relação com sua própria Luz, porque ela está aí.
Não há que procurar muito tempo, há apenas que dar-se conta dessa evidência, dessa verdade.
E, ao viver isso, vocês constatarão, facilmente, que não pode existir outra verdade ou alternativa.

Eu venho convidá-los, portanto, a ser Amor, permanentemente, em face de qualquer situação, de qualquer pessoa ou de qualquer relação que seja.
É tempo, agora, de deixar o fogo total, esse Fogo de Amor devorador, emanar de seu ser, do que vocês são, e vir transmutar tudo o que deve sê-lo e que não foi, ainda, transmutado, em sua escala individual, mas, também, coletiva.

Eu os lembro de que o ser humano não é, jamais, tão resiliente, como nos momentos em que há dúvida e sofrimento, porque é nessas circunstâncias que a humanidade reencontra seu caminho como irmão e irmã, confraternizando de amor e aportando sua ajuda, aportando seu Amor e sua Presença, sem nada pedir, sem nada controlar, sem nada esperar.

Sejam pacientes e sejam gentis consigo mesmos, em sua Eternidade.
Vocês observarão que, assim que vocês vivam isso, de maneira importante, que pouco a pouco, ou de maneira fulgurante, instalam-se, em vocês uma fé total e uma confiança e uma consciência absolutas na verdade do que vocês vivem ou vão viver.

Não se esqueçam, também, como lhes foi comunicado, que não há explicações a fornecer nem ao seu redor nem em vocês, porque a Luz é a explicação.
Então, basta, simplesmente, deixá-la emergir, deixá-la viver-se, entre todas as relações.
Cristo também está aí, em toda relação como em toda confrontação, no interior de vocês ou nesse mundo.
Então, é claro, nós não somos responsáveis pelas interpretações de uns e dos outros, concernentes a eventos que se desenrolam no plano histórico dessa Terra.
Mas lembrem-se de que, além da história e de que além das profecias, há a Promessa e o Juramento, há o reconhecimento do que vocês são na eternidade e não o que vocês são em uma pessoa, mesmo em um carma ou determinadas reencarnações.

A Liberdade, vocês sabem, nada tem a ver com isso, o Amor tampouco.
O Amor queima tudo o que pode ser vínculo, e esse Amor é emanado de vocês, ele «é» vocês.
Mais do que nunca, isso se conscientiza, mais do que nunca, isso se vive, ou mais do que nunca, em outros casos, há resistência.
Mas é sempre a Luz que está no trabalho.
Em caso algum, as elucubrações do mental humano, ou para aqueles de vocês que tentariam fazer encaixar profecias, mesmo se elas sejam reais, o mais importante não é isso.
São apenas sinais que lhes são dados a ver na tela de sua consciência, que assinalam o que se desenrola, mas, certamente, não a finalidade que é Verdade, Beleza, Luz, Amor e incondicionalmente.

Fixem-se nisso, porque isso não é amanhã, nem mesmo após as Trombetas, nem mesmo após o meu Apelo, nem mesmo durante os cento e trinta e dois dias, mas desenrola-se já, agora, para vocês.
Nada mais esperem, nem do mundo, nem de ninguém, nem, mesmo, de vocês mesmos.
Deixem, simplesmente, emergir o que emerge, deixem, simplesmente, ser a verdade do Amor.

Cada um de vocês que escutará, que lerá o que eu lhes disse, lembrar-se-á disso, no momento vindo, se ele ainda não veio.
Alguns de vocês, efetivamente – muitos de vocês, mesmo – apenas poderão ser despertos no momento de meu Apelo, mas isso não tem importância agora.
Vivam o que vocês têm a viver, vivam sua eternidade aqui mesmo, nesse mundo.
Não há mais obstáculos, não há mais resistências, em cada um de vocês, outros que não aqueles que vocês mesmos colocam por erro, por hábito, por dificuldade, ainda, para ver, de maneira evidente, o que releva, por vezes, do efêmero, por vezes, da Eternidade, que pode levar, por vezes, a uma interrogação.

Mas lembrem-se de que a solução, a resposta tornar-se-á cada vez mais inscrita na verdade de sua consciência.
Quaisquer que sejam suas relações entre vocês, quaisquer que sejam suas relações entre vocês e nós, quaisquer que sejam seus contatos com os povos da natureza ou alguns povos extraterrestres, tudo isso são apenas pretextos, que os levam a colocar-se no estado de Graça e a ali colocar-se, de maneira irremediável e definitiva, sem, mesmo, levar em conta o que pode acontecer a esse corpo e a esse mundo, porque vocês sabem que não são nem esse corpo nem esse mundo, não porque vocês teriam praticado o que foi nomeado, há um tempo, a refutação, nem, mesmo, vivência do Si, mas como a evidência do que está aí.

Progressivamente e à medida que inúmeros irmãos e irmãs na carne derem-se conta disso, tornar-se-á cada vez mais fácil para os outros.
Haverá uma espécie de contágio, que precederá, imediatamente, o meu Apelo.
É claro, haverá intuição e premonição do que vai desenrolar-se, porque, até agora, isso lhes havia sido escondido, não pela sombra, não pela Luz, mas pelas próprias circunstâncias da chegada da Luz.
Hoje, esse não é mais o caso, há apenas que reconhecer-se, há apenas que colocar-se, há apenas que acolher, há apenas que ser.

E isso não depende de sua pessoa, isso não depende de sua idade, nem de sua felicidade, nem de sua infelicidade, porque isso não se refere a nada desse mundo.
Quando vocês tiverem, realmente, vivido isso de maneira definitiva, então, nada mais poderá tirá-los da Alegria, nada mais poderá tirá-los da Verdade, antes, mesmo, de meu Apelo.
E isso será uma constante, no momento de meu Apelo, mesmo se vocês saibam que o caminho de cada um seja diferente, porque cada um é livre de estabelecer-se onde quiser, não segundo seus desejos pessoais, mas onde o quer sua alma, se ela existe, e onde o coloca seu Espírito, diretamente.
O resto aparecerá a vocês, cada vez mais, como disparates e ocupações, elementos que não têm mais lugar em sua vida, eventos que não têm mais impacto, também, no que vocês são.
E aí, vocês saberão, irremediavelmente, que vocês ali estão.
E quanto mais vocês forem, individualmente, a vivê-lo, mais observarão que é, também, o momento de meu Apelo.

Tudo isso traduz, é claro, o desenrolar do que havíamos falado, uns e os outros, há numerosos anos, e anunciado por inúmeros profetas.
Lembrem-se de que nada há a salvar, nem ninguém, há apenas que tornar viva a evidência do que vocês são e a evidência de sua Liberdade.

A Luz, por si mesma, sabe o que vocês são, e por si mesma, dissolve as resistências.
O que quer dizer, também, que vocês não têm mais necessidade de recorrer à sua própria pessoa, em sua história, em suas memórias, aos seus conhecimentos, quaisquer que sejam, porque a Luz é toda potência e, como eu disse, ela é a resposta e a solução.
Não haverá qualquer outra.

Quer vocês sejam suportados pelos Vegalianos, quer sejam liberados, definitivamente, antes dos cento e trinta e dois dias, quer sejam reagrupados em alguns lugares, quer estejam na resistência, pouco importa, porque o mesmo destino espera cada filho da Terra, no momento final: a Liberdade.
A Liberdade não é efetiva, ainda, pois a dimensão terceira ainda está aí.
Mas a Liberdade interior, sim, a Liberdade do Amor, sim.
Ela está plenamente aí, plenamente ativa.
O resto seguirá.

É essa certeza que vai instalar-se em vocês, se já não é o caso.
Nós os acompanhamos, sempre, mas olhem o que seu corpo vibra, olhem o que seu coração diz.
Olhem sua consciência de hoje, em relação àquela de há um ano.
Olhem, uma última vez, atrás de vocês, e vejam a mudança e as mudanças que se produziram.
Isso vocês não podem negar, qualquer que seja seu posicionamento hoje.
Nessa tranquilidade, daquele que aceita ver-se e ver o mundo, sem julgar, sem condenar, sem extrapolar ou sem projetar, ele, então, encontrará a verdade do Amor, na totalidade, antes, mesmo, de meu Apelo, a cada minuto de sua vida, a cada olhar portado e a cada palavra pronunciada.

Eu nada vou pedir-lhes mais do que estarem aí, vivos, portadores do que vocês aceitaram portar e, também, sobretudo, do que vocês são, em verdade.
Todo o resto fará apenas passar, e vocês ali não anexarão a mínima importância, porque saberão, concretamente – não por uma crença, não por um conhecimento, mesmo não por uma experiência, qualquer que seja, mas de modo o mais íntimo e o mais direto – que vocês são Amor e nada mais, mesmo se sua vida diga-lhes o inverso, neste período.
É isso que há a reconhecer e a viver.

Inúmeros elementos foram-lhes dados pelos Anciões, as Estrelas e eu mesma, concernentes a este período.
Não vejam, aí, simplesmente, uma festa, embora ela tenha sido desviada, vocês sabem, mas vejam, sobretudo, o renascimento e, sobretudo, a Ressurreição, porque vocês estão na fase de renascimento e de ressurreição, quer vocês o vejam ou não, quer aceitem-no ou não.
É isso que é preciso reconhecer.
Todo o resto desenrolar-se-á sem intervenção de sua parte e no maior dos contentamentos, nos maiores contentamentos e da serenidade, também.
É, aliás, a serenidade que deve marcá-los, hoje.
Porque, quanto mais vocês estão na alegria e mais estão no Coração do Coração, mais a serenidade está aí, o que lhes dá o que é necessário para fazer o que há a fazer, mas, bem mais, para ser o que vocês são.

Tudo o que vocês vivem, nesse momento, onde quer que vocês estejam, eu repito, é apenas o reflexo da instalação de sua Liberdade.
Nada mais há do que isso.
Vocês o veem?
E, sobretudo, vocês o vivem?
O Manto Azul da Graça, quer vocês o percebam ou não, depositou-se sobre seus ombros.
É isso que reforçou, ao mesmo tempo, as confrontações, as resistências ou o acesso à Graça, segundo sua pessoa estivesse à frente ou não.

Nutram-se do Amor que vocês são.
Nutram-se do Amor que emana de seu ser.
Nutram-se do Amor dado por seus irmãos e suas irmãs, mas, também, pelas resistências que lhes dão a ver o que há a ver.

Suas necessidades fisiológicas, como vocês constatam, estão profundamente diferentes.
Eu não voltarei às questões alimentares, de sono ou as diferentes normas fisiológicas, mas cada um de vocês é impactado, o que os leva a reconsiderar suas diferentes necessidades e a recolocar isso em relação à sua eternidade.

O que vem é Amor, o que está aí é Amor, e o que estará aí será, também, Amor.
Assim, o Amor terá apagado o medo e os medos, quaisquer que sejam.
Lembrem-se de que, no momento em que os sons do céu chamarem vocês, assim como no momento em que eu me dirigirei, intimamente, a cada um de vocês, o que predominará será a alegria ou o terror, mas tanto um como o outro nada serão em relação à beleza do Amor revelado em vocês durante a estase.

Então, eu lhes peço, solenemente, se aceitam a minha palavra e meu Verbo, para, cada vez mais, reencontrar-se em si mesmos, nutrir-se do que vocês são, na Eternidade, atribuir a maior importância ao que vocês são, na Eternidade, porque o tempo do basculamento chegou, da Última Reversão, aquela da Ascensão, aquela da Liberação e da Liberdade.

Você que me lê, você que me escuta, em nada mais creia do que o que diz seu coração, em nada mais creia que não na Eternidade que você é, porque todo o resto tem apenas um tempo e você sai do tempo.

Eu sou Maria, Rainha dos Céus e da Terra, e eu deposito, em seu Templo, a felicidade do Amor.
E eu tomo cada um de vocês em meu Manto e em meus braços.

Até logo.


Publicado por: